quarta-feira, 2 de julho de 2014

O horóscopo de Helena P. Blavatsky





Helena P. Blavatsky



Introdução

Neste artigo vamos fazer uma reflexão sobre a carta natal de Helena P. Blavatsky, a grande iniciada ou Upâsikâ, como a chamavam os Mestres de Sabedoria, que com seu magnífico trabalho marcou caminhos de união entre a sabedoria oriental e a ocidental. Seu trabalho está ligado ao propósito de Hierarquia Espiritual de implantar na Humanidade uma nova síntese da "sabedoria universal" mais adequada aos tempos modernos que anunciam a nova era.


Como sempre que enfrentamos nossos conhecimentos astrológicos com a carta natal de uma consciência de grau tão elevado, reconhecemos que o tipo de acerto e profundidade da reflexão dependerá mais doe nosso nível e qualidade de consciência que do que em verdade foi a profunda realidade da própria H.P. Blavatsky. Ela já fala por si só com seus fatos.

Portanto, nossa intenção é praticar uma reflexão que nos permita aprofundar nos conhecimentos da astrologia esotérica, relacionando para isso os diferentes aspectos já conhecidos de nossa inestimável protagonista com as energias e tendências mais subjetivas que nos sugere seu horóscopo.

A maneira mais simples de aprofundar em todo conhecimento (neste caso psicológico – astrológico) sempre vem dada pelo estudo dos casos mais exemplares. Aprende-se do maior, não do menor.






O horóscopo de Helena P. Blavatsky






Ascendente: Câncer

Como sabemos, a energia que uma alma deve fazer consciente em uma determinada vida para que esta sea frutífera desde o aspecto espiritual, é a energia do signo ascendente, o signo zodiacal que se levanta pelo leste, o lugar onde amanhece a luz da sabedoria, no caso de Helena P. Blavatsky, Câncer. 

A frase guia para uma alma com ascendente Câncer és:
 
construo uma casa iluminada e nela moro”


É claro que a fundadora do pensamento e sociedade teosóficos, “a amada discípula”, levou a um termo universal o objetivo da frase, construindo na consciência e plano físico coletivo um lugar que foi/é morada de paz e conhecimento para infinidade de almas.




Regente esotérico:

Netuno é o regente esotérico de Câncer, porque em toda morada o aspecto psíquico é o que une a parte material com a espiritual gerando a Luz.

Netuno, em consciências elevadas, é a qualidade de desejo emotivo sensível, expressado pelo poder do sentimento (plexo solar) que se converte em Amor (coração). Isto se demonstra como imaginação mística, devoção  sincera, ideal motivador ou sensibilidade grupal. A devoção intensa e sincera que Helena mostrou para seus Mestres, foi o acicate para que ela pudesse construir sua morada (a Teosofia) através do aspecto Amor, a única qualidade capaz de unir as “difíceis” ideias ocultistas com as concretas necessidades da humanidade.


. .


A primeira impressão
 
Ao olhar como uma unidade a estrutura da carta natal de Helena Blavatsky, o primeiro que nos chama poderosamente a atenção é sua polarização ou dualidade tensionada. Na estrutura circular podemos observar um cúmulo de planetas e pontos energéticos oposto a outro cúmulo de planetas e pontos energéticos. 

O primeiro cúmulo energético está no primeiro quadrante do horóscopo, o lugar da carta donde a pessoa/alma pode ser consciente e ativa de seu pensar - sentir e dizer "Eu Sou", neste caso, evidentemente, um eu sou em maiúscula, um eu sou da Alma. 

A inércia natural d este poder energético culmina na casa IV, a casa que materializa os talentos do sujeito através de uma condição heredada, e/ou aprendida durante a infancia do ambiente familiar mais próximo.


O segundo grupo está no quadrante que expressa o “Tu és”, o ponto mais afastado do “Eu sou” e com o que há que se relacionar, se reconhecer e demonstrar equilíbrio. Subjetivamente em dito quadrante reside o poder da “pequena voz interna”, aquele “Tu” de nosso interior a quem com tanta frequência consultamos, a perfeita contraparte ao impulso do “Eu” que nos faz compreender que “Deus vive em ti como Tu”.

A inércia deste segundo grupo energético culmina na casa X, a casa onde o talento é compartilhado em sociedade como uma vocação. Helena como seus talentos (casa IV) integrou e expressou em seu ambiente social o poder espiritual que sugere a sua casa X.

A nosso entender terceiro quadrante mostra uma poderosa energia impessoal com estupendas possibilidades espirituais, que Helena Blavatsky teve que reconhecer compreender e expressar através das valiosas qualidades, muito mais pessoais, do primeiro quadrante.


. .

3 Relações duais integradas como uma unidade funcionante

  • Câncer / Capricórnio

Câncer nesta carta é a energia da alma, e seu regente esotérico é Netuno. Mas a situação de Netuno em queda em Capricórnio marca um princípio astrológico de dificuldade, que a consciência de Helena, não sem esforço, soube levar à oportunidade.

Netuno é o regente do psiquismo inferior (desejo – plexo solar) e superior (amor – coração), e sua queda neste horóscopo é o reflexo da profunda purificação que em seus primeiros anos como adulta teve que realizar de seus “famosos” poderes psíquicos. Este reajuste acarretou no posterior e definitivo triunfo do Amor, e em consequência em sua vida já mais madura Netuno foi o reflexo da queda de todo o grosseiro ou inferior. Este é um exemplo de como a astrologia esotérica e exotérica intercambiam o significado de um planeta em queda, segundo seja o nível de egoísmo do dono do horóscopo. Em ultima instância, em relação a Netuno, não é o mesmo desejar e Amar.

O reajuste e posterior equilíbrio que fez Helena, definitivamente estabilizou o corpo astral e colocou a sua tríade inferior ou lunar sob o comando de Urano. A lua deste horóscopo está velada por Urano, e, além disso, está aspectada por este através de um estupendo trino. Ela tinha uma facilidade natural para intuir a “clareza universal” de Urano.


Na carta natal de Helena Blavatsky há duas referências claras ao elemento água, o Ascendente e o MC, dois pontos estruturais muito importantes em um horóscopo. Netuno, “o Deus das águas”, é o regente de ambos e também os aspecta a ambos com uma oposição e um sextil respectivamente.
Com este Netuno Helena demonstrou, através de Câncer e de sua consciência de alma, empatia e compreensão para seus semelhantes (casa I versus casa VII).

Também com Netuno e em colaboração com Plutão em Piscis e casa X, Helena mostrou capacidade de sacrifício e ideal espiritual para com a humanidade, tudo isso desde a qualidade de um iniciado em Capricórnio: “ver a luz e compartilhá-la”.


  • Leão -Virgem / Aquário.
Em Helena P. Blavatsky, esta potente linha relacional dá a entender uma ampla capacidade criativa, generosa e de serviço dinâmico. Um todo terreno com o valor (coração) e inteligência suficiente para absorver em sua consciência a plenitude da Água de Vida.

A casa oito de Helena é realmente muito benigna, o nodo sul nela nos sugere que a poderosa conjunção Urano – Júpiter em Aquário é a promessa energética de uma excelsa sabedoria que ela traz de outra vidas, e que dita sabedoria será integrada em sua consciência mas substancial – etérica via nodo norte, onde a “paixão solar” junto à brilhante autoconsciência do Leão e o exaltado filho da mente em Virgem, oferecem a justa contraparte para alcançá-lo. Energia espiritual versus consciência magnética.


  • Áries / Libra
Estes dois signos são a culminação natural dos dois cúmulos energéticos acima citados. O primeiro em Libra, onde a inteligência instintiva lunar e a inteligência equilibrada e fraternal venusiana se mostram como o dom natural para enfrentar e fazer seu o poder espiritual que sugere a culminação do segundo cúmulo em Áries – Plutão. Em seus retratos podemos ver algo disto, onde "um ar de poder" convive com "um ar de doçura".  


O próprio DK – Alice Bailey, em seu livro Astrologia Esotérica para o final do parágrafo de Libra, faz uma clara referência à importância deste signo nas faculdades de Helena:

                o sujeito evoluído de Libra tem o poder de projetar através da expressão física o propósito espiritual interno, ou a vontade intencionada. H. P. Blavatsky foi um exemplo disto; era uma pessoa que estava facultada para fazê-lo”.

Vênus, neste horóscopo, é claramente o regente da poderosa energia que mostra a cruz cardinal, a cruz dos céus que permitiu a Helena expressar no plano físico a sabedoria interna que entesoura sua cruz fixa.








“The young face … That’s her, as I knew her first “The lovely maiden”. Master M. (letter 39)

O poder de Urano: "o mestre espiritual" 

Urano, com licença de Netuno e Vênus, demonstra grande presença neste horóscopo. Ele é o regente tríplice de Aquário (exoterico), Libra (esoterico) e Áries (hierárquico), 3 signos de grande importância; além disso, de seu signo exotérico aspecta o signo de Leão – ao sol – a Lua – Vênus – Júpiter e Plutão. Por isso podemos dizer que Urano é o ponto energético que mais poder concentra em torno de si nesta carta. Em verdade poderíamos dizer que Urano, por suas qualidades e situação na carta, é o reflexo subjetivo e em seu momento também objetivo do Mestre Espiritual.

Neste sentido mais objetivo, quando por atacir (antiga técnica astrológica que avança ao planeta um grau por ano) Netuno, a Alma, alcançou o grau natal de Urano, Helena, que já era uma consciência de Alma muito avançada, para a alegria de seu coração, teve o primeiro encontro físico com seu mestre, Morya, em Londres, era o ano de 1851 e tinha 20 anos, os graus que distam de Netuno a Urano.








Raios

Helena foi uma Alma de I Raio de Vontade e Poder e assim o demonstrou com sua capacidade de governar e tomar decisões, sua fortaleza, coragem, amplitude de critério e absoluta falta de medo; talvez como defeito, certa inflexibilidade.

Tudo e que não há regras definidas para atribuir e relacionar as energias que mostra um horóscopo com os raios próprios da pessoa/alma, tampouco podemos negar que segundo nossos conhecimentos nesta carta natal se detecta uma presença muito poderosa do I Raio em:

  • Em Áries-Leão-Capricórnio, os três signos que transmitem as qualidades do I raio de poder ao nosso sistema solar.
  • Também se detecta o IR no poder que manifesta Plutão em Áries casa X, e no poder que exerce Capricórnio angular sobre Netuno, o regente da alma.



Urano através de uma consciência muito evoluída, também pode transmitir o I Raio; a materialização do propósito, como foi seu caso, é uma síntese que relaciona Urano com o VII e I Raios ao mesmo tempo, assim como com a cruz cardinal como dissemos antes.



Deduzimos que Helena foi uma personalidade de 2 Raio de Amor-Sabedoria, por uma natural compensação energética a seu poderoso I Raio, e por certas atitudes que fazem referência ao 2 Raio: amava e se rodeava de livros, sempre estava pronta para poder ensinar a seus alunos, tinha intuição e amor pela verdade, assim como uma amplitude inclusiva de conhecimentos; talvez como defeito, excessiva concentração no estudo.

Esta qualidade de Amor Sabedoria se destaca astrologicamente em:
  • o poder que exerce Júpiter como regente hierárquico sobre Virgem e seus planetas, assim como também por sua regência esotérica e ao mesmo tempo presença em Aquário aspectando poderosamente o Sol por oposição.
  • Também detectamos a qualidade de amor-sabedoria na benigna influência que exercem os dois planetas mais angulares da carta, Vênus e Netuno, que muito bem poderíamos relacionar com o II Raio.


Helena foi uma Alma toda “Coração”, Vontade – vitalidade expressa através do Amor à divulgação e ensinamento da Sabedoria Eterna.










Astrologia exotérica

duas reflexões sobre sua personalidade

Neste parágrafo, a reflexão está centrada na personalidade, portanto os regentes a ter em conta serão os exotéricos.


  • Intensa natureza pessoal
Sabemos por referências biográficas que Helena podia mostrar uma natureza muito apaixonada e afetuosa com seus sentimentos e preferêencias pessoais.
Em sua carta natal principalmente, isto é um reflexo de 3 combinações: 

  • Vênus (afetividade) com regente exotérico de sua Lua: a forma expressiva emotivo-física, regente esta ao mesmo tempo da casa I: o eu sou pessoal ou aparência.
  • A posição angular em queda de Netuno, (desejo), enfrentado a casa I da VII.
  • A típica dramaticidade de uma personalidade leonina.

O signo sensível emotivo de Câncer (água) com sua lua regida por Vênus (afetividade) e a características demonstrações expressivas leoninas, faziam dela uma natureza muito apaixonada e afetuosa, e mais, se temos em conta o poder reativo – sensível que mostra um Netuno angular e sem aspectos na linha I - VII.

Esta natureza nos fala de uma poderosa ligação por simpatia energética entre o 2 raio e o 6, pertencendo este último a seu corpo astral ou psíquico (plexo solar), e o 2, como dissemos acima, à sua personalidade.

Ela expressava suas predileções mais pessoais através de apaixonadas e afetivas emoções.




  • Dificuldades pessoais

                 “Nós, debaixo da aparência da excentricidade e a extravagância encontramos em seu Ser interno uma sabedoria muito profunda”.

              “Vocês não veem senão os impulsos, muitas vezes absurdos e disparatados e nada práticos de uma mulher. Nós, pelo contrário, percebemos diariamente a luz dos mais delicados e refinados traços da sua natureza interna...”
                                                                                           Mestre K.H carta 54


Helena foi uma personalidade (aparência) “difícil”, um detalhe de suas dificuldades no dia a dia é refletido no seguinte texto de uma de suas amigas mais próximas.

              “A personalidade de HPB não somente era uma máscara; também era um espelho.  Poucos foram aqueles que foram ante ela com humildade de espírito, com um desejo sincero de obter Luz e Verdade.  Se uma pessoa maliciosa ou uma de natureza má vinham visitá-la, eles viam somente seu próprio reflexo; e se iam pensando que ela só era uma ‘velha maliciosa’. Quantas vezes fui testemunha disto!”


Sem entrar no significado puramente cármico de um Marte em conjunção com Saturno muito bem regido por Mercúrio, o reflexo final no horóscopo da situação que relata o texto está em:

  • a oposição aplicativa muito próxima que Plutão exerce sobre a Lua, afetando poderosa e compulsivamente as inércias ou negatividades lunares.
  • A queda de Netuno inaspectado em Capricórnio na casa VII, também está implicado.

Embora seguramente ela fosse muito consciente da situação que relata o texto, quando sua autoconsciência pura era colocada diante de certas pessoas egoístas, “o poder de Hades”, refletindo o poder destrutivo da atitude mental destas pessoas, “sequestrava sua pureza”, permitindo que sua Lua ou corpo de expressão fosse visto como o de uma “velha maliciosa”. Enquanto isso e ao mesmo tempo, Netuno em queda de VII, era o reflexo emocional negativo de ditas pessoas.


A Astrologia exotérica não perde sua verdade quando se fala de uma perspectiva mais pessoal, como é o caso do texto; haveria agora que saber, o que pensava Blavatsky de tais situações e em que grau sua atitude era antes a de uma “bruxa divina”.

O tipo de divisão que adquire a Unidade depende da intenção com que é julgada.









Um detalhe de seu elevado pensamento:

Consideramos a vida como a única forma de existência, manifestando-se no que chamamos matéria, ou que, separando-as incorretamente, denominamos espírito, alma e matéria, no homem. Matéria é o veículo para a manifestação da Alma neste plano de existência, e a alma é o veículo, em um plano mas elevado, para a manifestação do espírito; os três são uma trindade sintetizada pela vida que os compenetra”,


Obrigado, Helena




 Referencias Biograficas uilizadas para este articulo:
 http://www.sociedadteosofica.es/Libros/Barker_CartasMahatmas.pdf
 http://blavatskytheosophy.com/words-from-the-masters-about-h-p-blavatsky/
 (doc) HP Blavatsy La Mensajera y el Mensaje (editorial mexico)


David C.M. (logos.astrologiaesoterica@gmail.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário