sexta-feira, 29 de agosto de 2014

O 4º RAIO DE BELEZA E HARMONIA NO HORÓSCOPO







OS 7 RAIOS NO HORÓSCOPO

Até onde sabemos, pela leitura dos livros esotéricos, o UNO utiliza as Suas 3 qualidades primordiais de Vontade-Amor-Inteligência para manifestar no universo ou aspecto matéria as Suas 7 energias básicas, construtoras e responsáveis da evolução desse universo.

A analogia perfeita disto é o experimento feito por Isaac Newton, no qual, quando o raio de luz pura (símbolo da intenção do UNO) faz contato com o prisma triangular (3) se manifestam as 7 cores básicas.

No plano físico astronômico, segundo nos diz a astrologia esotérica, na Via Láctea estas 7 energias básicas se manifestam através do triângulo formado pela Ursa Maior (o aspecto vontade), as Plêiades (o aspecto inteligência), e Sirius (o aspecto amor).

Seguindo a escala descendente, cada uma destas 7 qualidades chega ao nosso sistema solar através de três constelações diferentes e seus planetas regentes, concentrando finalmente o efeito principal em um dos 7 planetas sagrados.

Os 7 planetas sagrados ou chacras que conformam o corpo do nosso sistema, corpo que, como tal, tem uma autoconsciência: O Sol, que com sua luz permite que os 7 planetas sejam refletidos nos 4 reinos (mineral-vegetal-animal-humano) da nossa Terra.

Por pura lógica astrológica, quando estas 7 qualidades fazem impacto sobre o nosso planeta, isto necessariamente deve ficar refletido no horóscopo de uma nação, associação, ser humano, ou evento. E seguindo a mesma lógica, tal reflexo se fará mais evidente quanto maior grau evolutivo presente a “entidade” dona do horóscopo.

No nível de Consciência reside o segredo do nível de pureza expressiva dos 7 na matéria. Quanto mais perfeito é o prisma, mais claro é o arco-íris.






"El puente de Langlois" de Vincent van Gogh

Intenção do artigo e método de estudo


Dito isto, a pergunta é:

se é possível realmente ver em uma carta natal o reflexo do Raio maior da Alma e do Raio menor da personalidade?”


Neste artigo é nossa intenção demonstrar que a resposta é “sim”, sobretudo se nos fixamos nos horóscopos das Almas-personalidades que por suas obras já demonstraram um alto nível de implicação (autoconsciência) com o destino energético de seu raio maior.

Primeiramente, e com intenção de “andar” de maneira segura, nosso estudo fará eco de uma afirmação escrita pelo Mestre DK e Sua discípula Alice Bailey, para depois procurar demonstrar a verdade de tal afirmação através da análise dos horóscopos das almas pertinentes. Diríamos que partindo de um “ato de fé” para com a afirmação do Mestre, conseguiremos confirmar, através do estudo que esta nos motiva, a razão do afirmado.

As 2 afirmações deste primeiro estudo foram extraídas do livro Psicologia Esotérica I e têm uma relação direta em como as qualidades do IV Raio de Harmonia no Conflito e as do VII de Ordem e Cerimonial afetam poderosamente o artista criador de beleza e cor. Embora talvez a parte mais importante da afirmação e, portanto, do estudo, recaia sobre as qualidades do IV Raio.




  • As 2 Afirmações-chave feitas por DK-Alice Bailey

O IV Raio de Harmonia através do Conflito é preeminentemente o raio da cor, do artista, cujo colorido é sempre admirável, embora seus desenhos muitas vezes sejam defeituosos. O homem de quarto raio ama a cor, e geralmente pode criá-la. Se não teve entretenimento como artista, com toda certeza o sentido de cor se expressará em outra forma, como seleção no vestir e na decoração.


O VII Raio de Ordem Cerimonial ou Magia é o raio da forma, do perfeito escultor que vê e produz a beleza ideal, do desenhista de belas formas e dos modelos de qualquer tipo; mas um homem assim não teria êxito como pintor, a não ser que o quarto raio exerça influência. A combinação do quarto com o sétimo raio poderia dar o tipo mais elevado de artista, a forma e a cor seriam sublimes.



Temos de entender que estas afirmações são extraídas de um contexto maior, portanto não há que pensar que somente os raios 4 ou 7 são criadores de artistas, pelo contrário, já que o artista, assim como o pensador escritor, médico, cientista, religioso, periodista, ocultista, político, músico, comerciante… podem se dar em todos os raios, mas como diz o mesmo escrito, se queremos encontrar o tipo mais elevado de artista, necessariamente em seu horóscopo deverá estar refletida claramente a huela do IV e o VII.




  • Qualidade do IV Raio de Harmonia através do Conflito

As energias do IV Raio, segundo nos diz a astrologia esotérica, chegam ao nosso sistema solar através de TOURO-ESCORPIÃO-SAGITÁRIO e seus regentes, alcançando a síntese perfeita em Mercúrio.

O IV raio, o mediador divino, é a energia que está no centro, captando e relacionando com seu talento os três de cima com os três de baixo. Ele sempre está em meio e sua constante interação, luta, paixão ou conflito por alcançar o ansiado equilíbrio dá como resultado luminosa intuição, síntese ou harmonia. No caso da arte criadora do pintor, referida paixão ou conflito é a antessala da tensão criativa que permite a expressão da beleza ou harmonia da cor.

Mercúrio é o planeta sagrado que sintetiza os poderes do IV Raio para o bem da humanidade, oferecendo mobilidade e relação entre as energias de cima com as de baixo e assim alcançando, com sua atividade dual comunicativa, a intuição unificadora.




  • Qualidade do VII RAIO de Ordem Cerimonial ou Magia

As energias do VII Raio chegam ao nosso sistema solar através de CÂNCER-CAPRICÓRNIO-ÁRIES e seus regentes, alcançando a síntese perfeita em Urano.

O VII raio, é o materializador divino, a energia que mais relacionada está com o plano físico, é portanto a energia divina que melhor pode vitalizar a inerte matéria. Matéria que em seu aspecto mais básico é o reino mineral, lugar onde o sétimo raio é o responsável pela ordem ou geometría que permite que excitem as chamadas pedras preciosas, demonstrando com isso a capacidade de transmutar a matéria mais tosca. O deleite na disciplina que oferece esta energia, permite ao artista o aperfeiçoamento do diário ritual do desenho, que mostra a proporção divina da forma e sua ordem magnética dentro da branca tela ou todo maior.

Urano, o planeta sagrado do VII Raio é a energia que desvela o mistério divino na matéria. A ordem ou brilho externo sempre são um reflexo da verdade interna. Ordem, magia, cerimonial, originalidade, geometria, irradiação são sinônimos para esta energia.







"El sueño del caballero", de Rafael Sanzio


Os 11 horóscopos de exemplo


Agora lhes apresentamos uma série de 11 horóscopos de grandes pintores da história, que consideramos que, por serem merecedores de semelhante distinção, são maravilhosos exemplos para observarmos como se comporta no horóscopo a energia que, segundo nos diz o Mestre, tanto os condiciona.

Nos breves comentários expostos abaixo sobre cada carta natal não atentamos para Urano, já que não detectamos que seu papel seja suficientemente significativo, algo que detectamos muito claramente em Mercúrio. Talvez assim seja porque, nos píncaros da arte da pintura, as qualidades do IV Raio exercem mais poder que as do sétimo.

Pedimos aos interessados neste estudo que observem os horóscopos abaixo expostos com abrangência, sem centralizar a atenção em um aspecto concreto da carta, planeta, ou configuração, já que nesta atitude há uma tendência a esquecer a síntese inclusiva do todo. Olhemos para eles como almas que são, sabendo que pertencem aos grandes mestres da arte da cor considerados pela história. Em última instância, para toda consciência avançada, as tensões, configurações difíceis, ou detalhes astrológicos que possa mostrar seu horóscopo, são a oportunidade para avançar no caminho.

Cada carta tem em sua base um breve comentário que faz referência ao que nós consideramos os pontos-chave em relação ao nosso estudo:




Leonardo da Vinci


O Mestre Tibetano, nos livros de Alice Bailey, nos diz que o grande gênio do renascimento italiano foi uma Alma do IV Raio com grande capacidade de expressar muito fielmente a pureza deste raio, graças ao grande nível evolutivo que atesourava.
Neste horóscopo, a linha dos 3 signos do IV Raio está claramente definida: Ascendente Sagitário e seu regente esotérico, a Terra, em Escorpião, em oposição a Sol-Vênus em Touro. É possível entrever o VII Raio no poder que exerce Áries angular através de Mercúrio. Mercúrio está dignificado em Áries e fortemente tensionado através de Saturno.





Rembrandt:

Nesta carta há certo equilíbrio entre os raios 4 e 7, embora o poder angular (planetas incluídos) que ostenta a linha Escorpião-Touro, dê maior relevância ao IV Raio. Por outro lado, Mercúrio aparece novamente aspectado duramente (oposição aplicativa) por parte de Saturno. Em relação à linha Virgem-Peixes, está regida esotericamente pela Lua em Escorpião e Plutão em Áries, signos representantes do IV e VII raios, respectivamente.



Pablo Picasso

É claro que na carta de Pablo Picasso a linha de signos do IV está em plenitude de poder, embora não há que esquecer que o importante Marte, regente de seu Sol e Mercúrio, está em Câncer, signo do VII Raio. Mercúrio, como em quase todas as outras cartas, está muito tensionado, neste caso pela oposição aplicativa que exerce para Plutão. 





J.M.W. Turner

O grande pintor inglês de romantismo mostra muita energia taurina angular do IV Raio, estando o selo do VII Raio inscrito bastante mais debilmente na linha ascendente Capricórnio-Câncer. Mercúrio em Áries, na luz de sua regência esotérica, uma vez mais mostra a nobreza de um duro enfrentamento com Saturno.

  
 
Vicent Van Gogh

Na carta do grande pintor impressionista holandês, o IV Raio mostra um equilíbrio muito forte com o VII. Os signos do IV Raio não estão em nenhum ângulo da carta, mas o poder que exercem os planetas de Peixes no MC está regido exotericamente por Júpiter em Sagitário e esotericamente por Plutão em Touro, dois signos representantes do IV Raio. Por outro lado de novo aparece um Mercúrio em seu signo da Alma e tensionado pela conjunção aplicativa que exerce sobre Plutão.


Rafael Sanzio

Neste gênio do Renascimento italiano fica muito claramente delineada a linha de signos do IV Raio, sem esquecer o poder que exerce Áries, como representante do VII Raio. Mercúrio recebe como em quase todas as demais cartas, um duro aspecto, é este caso de Saturno, por oposição.



Francisco Goya

Infelizmente não dispomos do Ascendente do gênio espanhol, mas ainda assim é possível observar uma forte presença dos signos Áries e Câncer de VII Raio, e certa presença de Escorpião Sagitário, signos do IV Raio. À falta de conhecer o ascendente, neste horóscopo a linha de signos do VII raio tem poder muito maior que o IV. Mesmo assim, cabe a possibilidade de pensar que a percepção global seria diferente se o seu ascendente fosse Escorpião, Touro ou Sagitário, não acham? Mercúrio, na luz de Áries, de novo recebe um duro e próximo aspecto de Saturno.


August Renoir
No horóscopo do grande pintor francês, Áries nos fala do VII Raio, mas Marte em Escorpião como regente exotérico de Áries junto com a grande dignidade de Júpiter angular em casa X em Sagitário, como regente esotérico do Ascendente e exotérico de seus planetas em Peixes, nos falam muito claramente a favor do poder do IV Raio. Mercúrio novamente nesta carta aparece fortemente tensionado.



George Frederic Watts
Neste caso também sabemos por palavras do próprio DK, no livro de A.Bailey Psicologia Esotérica I, que foi um pintor com uma Alma de IV Raio e uma personalidade do 2°.

É claro que o raio da Alma se detecta muito bem na linha horizontal - angular definida por Touro Escorpião Sagitário. O II Raio de sua personalidade reside no poder que ostenta Peixes, um dos signos que junto a Virgo e Gêmeos aporta a nosso sistema solar a energia do II Raio. Júpiter como regente deste raio situado em Sagitário, signo do IV Raio, tem muito a dizer nesta carta. 

 
 
Joan Miro

Na carta natal do grande pintor catalão novamente se impõe a linha Escorpião-Touro sobre as demais, sem esquecer o poder que exerce Áries em relação ao VII Raio. As importantes energias de Gêmeos, por regência, nos levam a Áries, mas os planetas Urano e a Terra em Escorpião têm muito a dizer nesta carta, porque, em definitivo, são os regentes hierárquicos* de Áries e Gêmeos, respectivamente. Mercúrio, em seu signo da Alma, aparece de novo fortemente afetado pela oposição.


Toulouse-Lautrec
Finalizamos o estudo com a carta deste grande pintor impressionista francês, na qual podemos observar como novamente se impõem os signos Escorpião-Touro-Sagitário, por sua angularidade e regências. A quadratura em T de Netuno-Vênus-Lua que mostra este horóscopo tem uma relação direta com o VII Raio, mas Mercúrio é o regente esotérico de Netuno em Áries, o planeta impessoal que manda sobre a inércias mas lunares-venusianas de referido T quadrado. Claramente a carta mostra uma vez mais um Mercúrio em conflito.



Outros exemplos com resultados muito similares
Quem quiser ajustar mais o estudo, observar como se repete o padrão nos horóscopos de Diego Velazquez (web astrotheme),  Claude Monet, Henri Matisse, Alberto Durero (Albretch Dürer), Edward Munch, Dante Gabriel Rossetti, Johannes Vermeer, Salvador Dali, Hokusai, Michelangelo, Vasili Kandinski, Tauguharu Foujita, Fra Bartolomeo, Caravaggio, Paul Cezanne, F. Bacon (pintor), Paul Klee, Maurice Estève, Antoni Tapies, Jackson Pollock  todos eles considerados grandes representantes da arte pictórica.








Arundel Castle, con el arco iris, 1824 de William Turner 

CONCLUSÃO


Uma vez feito o estudo, constatamos muito claramente as seguintes tendências:

  • Em relação ao IV Raio, detectamos uma poderosa colocação de seus signos (Escorpião-Touro-Sagitário) em casas angulares (1-7, 10-4) com a presença de importantes planetas.

  • Em relação a Mercúrio, detecta-se uma grande dignidade por signo. Para a astrologia esotérica, este planeta é regente esotérico de Áries e Hierárquico* de Escorpião. Referida dignidade em muitos casos está em tensão com planetas duros como Saturno ou Plutão. O conflito está servido, e o triunfo pela dignidade e importância regente que sustenta Mercúrio está assegurado. Desde a astrologia mais básica tradicional, poderíamos dizer que estes artistas não se dedicaram à arte da palavra falada devido a seu Mercúrio tão mal aspectado, mas, bendito mau aspecto! Eis aqui um exemplo de que a dificuldade é a oportunidade.

  • Em relação ao VII Raio, detecta-se uma presença de Áries muito poderosa em quase todas as cartas. É importante destacar que Mercúrio e Marte põem Áries em relação direta com Escorpião e Sagitário, já que por um lado Mercúrio é regente esotérico de Áries e hierárquico* de Escorpião, e por outro lado Marte é regente exotérico de Áries e exotérico e esotérico do Escorpião, e hierárquico* de Sagitário.

  • Detectamos certa importante presença de Peixes Virgem e Gêmeos portadores da energia do II Raio de Amor Sabedoria, embora tal presença não esteja secundada pela regência.



Nós nos atreveríamos a dizer então, que os pintores aqui analisados astrologicamente foram todos almas do IV Raio, e que muitos deles ostentaram uma personalidade do 7 Raio e os menos do 2 Raio.


É claro que eles já demonstraram com seus fatos seu nível de implicação com a “ciência” da cor, a beleza captada por aquele que ama, luta, olha, se orienta, intui, e se expressa sobre um linho branco; e que é graças ao grau de implicação que eles nos mostraram com seu destino, que nós lhes agradecemos a oportunidade, que seus horóscopos são para nós, de poder aprofundar na ainda muito desconhecida ciência dos 7 Raios – 12 Signos – 7 Planetas.



David C.M. (logos.astrologiaesoterica@gmail.com)





"Anunciación" de Leonardo da Vinci

* três tipos regência: exotérica, esotérica, hierárquica
A astrologia esotérica proposta por Alice Bailey, contempla três tipos de regência. A Exotérica, relacionado com o aspecto mais material e pessoal do indivíduo. A Esotérica, relacionada com o aspecto amor, ou a alma como consciência mediadora do indivíduo. E a Hierárquica, relacionada com o aspecto vontade, ou a dinâmica espiritual criadora do indivíduo. Os três aspectos são considerados sagrados por nossa astrologia, porque na união dos 3 está a perfeita expressão do 1; embora pareça lógico pensar que para alcançar referida unidade, primeiramente se evolui desde as experiências mais básicas inscritas no regente exotérico, para alcançar paulatinamente as mais sublimes que o regente hierárquico promete, e tudo isso graças à constante aquisição de autoconsciência, representada pelo regente esotérico.

Não gostamos de falar muito do regente hierárquico, consideramos que nesses dias já é uma grande novidade e complexidade incluir nas análises astrológicas o regente esotérico junto com o exotérico, mas muitas vezes nos vemos obrigados a utilizar o terceiro para arredondar melhor o raciocínio.

Apresentamos a tabela de regências, base dos nossos estudos, proposta por Alice Bailey em seu livro Astrologia Esotérica.

Tabela de regências

Constelação   Ortodoxa     Esotérica      Hierárquica

Áries                  Marte               Mercúrio            Urano
Touro                Vênus               Vulcano              Vulcano
Gêmeos              Mercúrio          Vênus                 A Terra
Câncer              A Lua                Netuno               Netuno
Leo                    O Sol                 O Sol                  O Sol
Virgo                 Mercúrio            A Lua                Júpiter
Libra                  Vênus                 Urano                Saturno
Escorpião           Marte                 Marte                 Mercúrio
Sagitário             Júpiter                A Terra               Marte
Capricórnio        Saturno              Saturno               Vênus
Aquário              Urano                 Júpiter                 A Lua
Peixes                 Júpiter                Plutão                 Plutão



"la gallina ciega", de Francisco Goya


 
"mujer", de Picasso

 


"la tormenta en el mar de Galilea" de Rembrandt




"Esperanza" de Watts
 

"la lechera" Johannes Vermeer



"la masia", de Joan Miro




"las hilanderas", de Diego Velazquez


Nenhum comentário:

Postar um comentário