domingo, 13 de setembro de 2015

Os Planetas para a Astrologia Esotérica








A Consciência e os Planetas

Para a astrologia esotérica, o significado dos planetas e, portanto, seu tipo de influência, depende do tipo de consciência que deve gerir sua energia. Isto é, o poder de um planeta não é fixo, porque sua influência está condicionada à consciência em constante evolução.
Neste sentido, podemos dizer que o poder espiritual que flui através de um planeta tem relação direta com o nível espiritual que atesoura a consciência que reflete as suas energias.

Dito de outra forma, a utilidade de um bom livro ou uma grande ideia dependem, em grande medida, da consciência que lê, interpreta, assume e aplica em sua vida cotidiana referido livro ou ideia.




Alma – Personalidade

Este artigo se desenvolve inspirado nas duas linhas de força principais que afluem à consciência de um ser humano de “tipo médio”, em que a força mais pessoal, (instintiva-egoísta-materialista), se entremescla com a força da alma (intuitiva-abrangente-sacrificada). .

Devido à suma importância que têm estes dois aspectos em nossa consciência, as diferentes características espirituais ou materiais dos planetas que são descritas a seguir devem ser interpretadas com seu devido cuidado, flexibilidade, imaginação, honestidade, bom senso e raciocínio inclusivo.

Transmutar ou transcender o poder exotérico ou significado tradicional de um planeta para seu significado mais esotérico só é possível alcançar adquirindo consciência de Alma através do esforço de "seguir no caminho" com  da prática da meditação, da autorreflexão, da disciplina dos corpos inferiores, da inofensividade e do correto serviço, atitudes que permitem pouco a pouco perceber, compreender e utilizar o aspecto mais espiritual de um planeta frente a seu aspecto mais evidente ou materialista

Não se trata de controlar ou inibir o poder ativo-material de um planeta, mas sim de evoluir (adquirir experiência e consciência) através dele para assim compreender a possível qualidade-utilidade esotérica que seu poder exotérico encobre. Como já sabemos, o significado maior sempre inclui o menor.








Características dos planetas



Urano: “a mente cósmica”
Urano é a Origem, a Mente Cósmica através da qual flui a Ideia Primeira que imprime seu poder na Matéria.
Em consciências muito avançadas é o correto impacto que exerce na mente o poder de uma ideia espiritual genuína. Isto traz consigo uma Nova atitude mental que permite unir espontaneamente “a vontade divina” assentada no chacra coronário com a “vontade da matéria” assentada no chacra base. Esta união necessariamente se materializará no entorno destas consciências como serviço ou atividade espiritual.

Em seu reflexo em uma consciência mais mundana, as características de Urano são as ideias originais criadoras de desapego, individualismo e liberdade para atuar, mas que em consciências egoístas comporta imprevistos, desconexão, atitudes egocêntricas, excêntricas, erráticas e muitas vezes também destrutivas.

A consciência de alma tem a capacidade de desapegar a mente dos assuntos pessoais e esta impessoalidade é o primeiro passo para ser receptivo às ideias cósmicas que fluem através de Urano.



Netuno: “o sentimento celestial”
Netuno é o “Deus da água”, através do qual flui a Divina Emoção que permite o “leitmotiv”, aquele Ideal Sensível que motiva na Matéria o Amor que sente, comparte, relaciona e ama.

Netuno, nas consciências muito avançadas, é a qualidade que, através de um plexo solar sereno, isto é, não agitado pelo desejo, pressente a “emoção divina” no coração graças à intuição. Somente as águas tranquilas podem refletir com clareza a luz do céu.

Em uma consciência egoísta, Netuno se mostra como a idealização enganosa forçada pelo excesso de desejo inferior. Neste caso, a agitação do plexo solar pela excessiva emoção arrasta e confunde a mente, obrigando-a a depender ou a justificar tal idealização. Neste caso, as águas revoltas não podem refletir a clareza do céu. O coração ofuscado necessita e deve atender a sabedoria da Alma por cima da personalidade emocional, somente então através de Netuno aflui o sentimento divino ou incluente.




Saturno “a lei da matéria”
Saturno é Lei que rege a Matéria, através da qual flui a evolução inteligente e ordenada do nosso sistema.

Saturno, em consciências avançadas, é a inteligente atitude através da qual a consciência é capaz de transmutar a forças criativo-inconscientes do centro sacro nas forças criativo-conscientes do chacra da garganta.

Se as circunstâncias criadas por Saturno são inteligentemente avaliadas pela consciência envolvida, convertem-se então no trampolim para uma vida mais frutífera e ordenada. Saturno é aqui o “Deus da oportunidade”.

Em seu reflexo em uma consciência mais materialista, Saturno se mostra como “o Deus da dificuldade” ou a circunstância criadora de frustração. Neste caso não há consciência de Alma, e a consciência pessoal é incapaz de compreender ou aceitar a negação daquilo que tanto deseja. Neste sentido não nos cansaremos de repetir que a frustração saturnina, se é inteligente e amorosamente tratada, é a grande oportunidade para que a consciência “pare”, reflita, ordene e escolha conscientemente o próximo passo a dar ou caminho a seguir.



. . . . .

Em última instância, em nosso sistema solar, estes 3 primeiros planetas são a síntese final da Divina Trindade expressa como: Vontade (Urano) – Amor (Netuno) - Inteligência (Saturno)

. . . . .



Júpiter “a generosidade do todo”
Em seu aspecto mais espiritual, Júpiter é a qualidade que permite incluir em Um Todo os todos. Através de Júpiter flui o Sábio Amor que gera a união na diversidade.

Em consciências conscientes da Alma, a qualidade jupiteriana permite “pensar com o coração”, isto é, permite a compreensão incluente.

Em consciências mais personalistas, Júpiter continua sendo o poder de ser generoso, mas de seu próprio interesse com os perigos de exclusão que isso traz. Através deste tipo de consciências não pode fluir adequadamente a compreensão do coração, porque sua mente está excessivamente centralizada em seu eu inferior.



Marte “a divina rebeldia”
Em seu aspecto mais espiritual, através de Marte flui o poder de concentrar, ativar e dirigir a força da matéria para um objetivo espiritual.

Marte, “o Deus da guerra”, em uma consciência espiritual avançada, é a implicação ativa, a coragem e a persistência que utiliza as forças básicas (chacra sacro) mais pessoais em prol do valor ou objetivo espiritual no qual se crê.

Em seu reflexo em uma consciência mais mundana, Marte é a rebeldia egoísta que impõe seu poder pessoal, “o que eu quero”, através da ação agressiva.

Diríamos que Marte deixa de ser agressivo para ser um “nobre guerreiro” quando é a consciência da Alma, e não a pessoal, que prioriza a necessidade ou o objetivo pelo qual há de lutar.



A Terra “a deusa mãe”
Em seu aspecto mais espiritual, a energia da Terra é o Campo da Experiência onde a leis que presidem a relação entre o espiritual e o material podem ser vivenciadas. A fecundidade da Terra é o fruto de tal relação.

Para uma consciência evoluída, a vida terrena é a oportunidade de demonstrar através do serviço altruísta prático (fecundo) a relação existente (nessa mesma consciência) entre espírito e matéria.

Para uma consciência mais egoísta, isto é, menos incluente, a Terra é o lugar para experimentar o poder destrutivo que implica não ser espiritual. A atitude egoísta é durante muito tempo (vidas) a atitude natural de uma personalidade em crescimento, portanto, de acordo com as consciências, pode ser uma atitude necessária e frutífera, mas no caminhar evolutivo sempre chega o dia em que esta atitude se volta contra nós se não reconhecemos na consciência a qualidade superior da Alma acima do mais pessoal.


Vênus “a deusa da beleza”
Através de Vênus flui a qualidade que permite Harmonizar o Amor com a Matéria, concretizando assim a Beleza na Forma.

Vênus, em uma consciência que atende a Alma, é o amor inteligente ou equilíbrio gerador de silêncio; silêncio que evoca ou desperta os sutis matizes emotivos (situados no plexo solar) como são cor-tonalidade-sentimento-sensibilidade ou melodia, todos eles criadores (através do chacra garganta) da Beleza

O silêncio é a antessala para a chegada das “musas ou anjos construtores”, a antessala para a espontânea inspiração e sua expressão, e não há que esquecer que tudo aquilo que é belo é bom e, portanto, é espiritual, positivo, benigno e necessário.

Em seu reflexo em uma consciência mais primitiva, onde o desejoso plexo solar e sua correspondente atitude mental ainda são excessivamente toscos ou pouco refinados, Vênus é a beleza evocada pelo desejo-inferior, que por outro lado, para este tipo de consciência, também é positiva, necessária e benigna.


Mercúrio “o Deus da comunicação”
Mercúrio é a qualidade que permite a inter-relação das diferentes partes que pertencem ao Todo Divino.

Mercúrio, em uma consciência com experiência de Alma, é a intuição (forma mental divina) que permite relacionar a partir do correto raciocinar o que até então estava dividido. Do chacra entre as sobrancelhas, “a agilidade” mercurial toma contato, raciocina, maneja, relaciona e, portanto, unifica as dualidades implicadas no processo evolutivo de referida consciência.

Em seu reflexo em uma consciência mais mundana, onde o desejo tem tendência a não ser equilibrado, Mercúrio é a fluidez mental sem sentido, instável, sem constância, caprichosa, ingênua, rebuscada, com ideias e razões não justificadas ou excessivamente justificadas, em definitivo, uma mente “tagarela” condicionada pelo desejo excessivo.


Vulcano “o Deus forjador”
Através de Vulcano flui o poder da Vida que modela o Propósito Espiritual na Forma Física. Se falamos de Vulcano, Vida, Propósito Espiritual e Forma Física são conceitos indivisíveis.

Em consciências muito avançadas, a vontade espiritual assentada no chacra coronário é utilizada conscientemente para forjar um corpo físico, a través do corpo vital ou 7 chakras,  acorde com tal vontade espiritual. Como se pode supor, trata-se de uma atitude que demanda um nível de consciência muito avançado.

Nas consciências não tão avançadas, Vulcano também é a vontade espiritual forjada no corpo físico através da vida refletida no corpo vital, embora, como é lógico pensar, o forjado por Vulcano estará intimamente relacionado com o nível espiritual e as condiçoes do corpo vital de cada uma de referidas consciências.


Plutão “o Deus da transformação”
Através de Plutão flui o poder espiritual que permite a Destruição que pavimenta o caminho para a Boa Nova que está por chegar. Em Plutão se sinaliza a riqueza que traz consigo a transformação espiritual.

Plutão, “o Deus do Hades”, tem contato com as “forças escuras” da matéria capazes de “matar” ou transformar, a partir do chacra base, via coluna vertebral-cérebro, todo tipo de emoções ou padrões mentais caducos e desnecessários para a correta evolução.

Levar a cabo esta atitude de forma plenamente consciente é sumamente difícil; o que, sim, é mais possível, através da consciência da Alma com sua característica flexibilidade mental, é ser um “aliado” das forças que por detino evolutivo nos influi através de Plutão.

Em seu reflexo em uma consciência mais mundana, Plutão é o poder destruidor gerado pelo desejo excessivamente intenso, apegado e “escuro, vinculado com a riqueza atraente da matéria densa, refletida como sexo, dinheiro ou poder. Este tipo de consciências só pode entender a destruição plutoniana como um reflexo das “forças escuras” inconscientes e incontroláveis que vêm do exterior.









Os planetas mais importantes segundo o horóscopo

Os planetas, por ordem de importância, a considerar e refletir pela consciência de alma são:
  • O regente esotérico do signo ascendente. Este planeta deve ser refletido e utilizado do seu significado como regente esotérico e não tanto exotérico, já que suas qualidades só podem ser utilizadas quando rege a consciência de Alma.

  • Qualquer planeta em conjunção angular (As, Mc, Dc, Fc). Estes planetas têm um proeminente poder de condicionar a expressão externa do sujeito e seu entorno, portanto merecem ser atendidos com grande sabedoria por parte da consciência em questão. Eles, em sua forma de atuar, podem refletir claramente a dualidade de consciência exposta no início do artigo, e portanto é nosso dever refletir e trabalhar com o significado de suas energias subjetivas, assim como também com seus efeitos mais objetivos.
  •  
  • Saturno, Netuno e Urano. Estes três planetas, em consciências com já certa capacidade espiritual consciente, fazem sempre uma clara referência à Alma, portanto é importante refletir sobre sua posição no horóscopo, tanto por signo, regente e casa, mas sobretudo por seus aspectos “duros” (quadratura, oposição, conjunção) com os planetas mais pessoais como Vênus, Mercúrio, Marte, Terra, Sol e Lua.
  •  
     
  • O regente exotérico do signo solar. É importante entender que a qualidade de consciência que este planeta realça está muito relacionada com as tendências da personalidade, tendências que, como sabemos, com o tempo devem ir se subordinando à crescente consciência de Alma, mais relacionada com o regente esotérico do signo ascendente.

  • O regente esotérico do raio da Alma e o regente exotérico do raio da Personalidade. Estes dois planetas, sobretudo o primeiro, na verdade são os dois mais importantes*, o problema é que muitos de nós ainda não temos um verdadeiro conhecimento de tais planetas, porque somente com o horóscopo na mão não é suficiente para sabê-lo, é necessário o tempo e uma constante e honesta reflexão sobre as diferentes possibilidades que cremos possuir. Portanto, e devido às muito razoáveis dúvidas existentes, é melhor centrar nossa maior atenção nos 4 primeiros pontos, até alcançarmos, com o tempo, uma maior autoconfirmação sobre as qualidades destes dois planetas tão condicionantes.




Atender a Alma é mirar o “Espírito no Céu” com atenção serena e a “Personalidade na Terra” com compreensão ativa. A primeira mirada nos traz a intuição ou caminho a seguir, a segunda nos traz a cura ou serviço prático.





* Há bastantes artigos neste blog que fazem referência aos 7 raios e os correspondentes 7 planetas sagrados regentes. 


. . . . .
David C.M.