sábado, 16 de abril de 2016

Os 3 níveis do horóscopo






A dualidade 

No “mundo” podemos reconhecer claramente dois poderes:

Deus no Coração   -versus-   Deus no Universo

O Coração é o “mundo” interior, aquilo que nos é próprio, o “si mesmo”.
O Universo é o “mundo” exterior, as energias, revelações e impulsos que nos chegam.


Bem, se atentarmos para esta poderosa dualidade, podemos pensar que não dependemos unicamente daquilo que intrinsecamente reconhecemos como próprio, nosso “si mesmo”, mas que também dependemos de como percebemos e nos identificamos com as energias que nos chegam do exterior. E que a clareza desta percepção depende, em grande medida, do nível de desenvolvimento da consciência que percebe.

O nível de desenvolvimento se mede pela capacidade que a consciência tem de potencializar aquelas atitudes impessoais, desapegadas ou altruístas em detrimento das mais pessoais, apegadas ou egoístas.






Os três níveis do horóscopo

Astrologicamente falando, este processo psicológico tem seu reflexo no horóscopo como:

- As 12 constelações são o reflexo no horóscopo das energias ou novas realidades que chegam do universo, novas que, para serem bem percebidas, devem ter, por parte da consciência receptora, desapego e impessoalidade.

- O significado do signo ascendente com seu regente esotérico, e em menor medida, o do signo solar e seu regente exotérico, como aquele tipo de compreensão que permite a aquisição de maior impessoalidade e desapego.

A qualidade do signo ascendente é o aspecto mediador, aquele tipo de significado que, em determinada vida, a consciência necessita praticar para sua correta evolução, daí sua importância.

- Os planetas e sua posição por casas e aspectos (sextil, quadratura, etc.) como a força que mantém sujeita a consciência na matéria, sujeição ou apego que em si mesmo oculta a dificuldade ou crise que em toda consciência evoluída é compreendida como a oportunidade criadora da “divina necessidade”*.

....

Nem fora nem dentro está a união, mas sim na inter-relação que permite a diminuição do aspecto material graças ao reconhecimento do aspecto espiritual.




*Podemos entender por “divina necessidade” como aquelas forças básicas que, uma vez que tenham sido reajustadas e redirigidas pelos princípios e valores mais espirituais, são o combustível capaz de manter a constante “visão” (motivação purificada) no sempre “difícil” caminho de todo aspirante espiritual.

David C.M. ( logos.astrologiaesoterica@gmail.com )