domingo, 30 de setembro de 2018

1425, um grande ano para a humanidade





Uma visão astrológica do començo da Idade Moderna

Não faz muito tempo, consultando o livro “O Discipulado da Nova Era II”  do Mestre Tibetano – Alice Bailey pude ler a seguinte afirmação: 

“Quando a Hierarquia se retirou para trás do véu separador na época atlante, marcou o começo de um intervalo de escuridão e aridez e um ciclo “de abstração em branco”, que persistiu em sua forma mais crua até 1425 d.C….”

O Discipulado da Nova Era II (Ensinamentos sobre a Iniciação. 6ª Parte pág. 278)



Desde a época atlante até 1425 …. !!!

Era evidente que me encontrava diante de uma data importantíssima, um ano que após um longuíssimo período de tempo iniciava um novo e muito positivo ciclo para a Humanidade. Um ciclo que, ao que parece, e pelo que diz o texto em toda sua extensão, foi precipitado pela própria vontade espiritual que a humanidade havia alcançado.

Uma humanidade que estava adquirindo o poder de penetrar nos segredos do Mundo e que, por sua vez, com este poder emergente, estava invocando o Amor da Hierarquia de Mestres Condutores para a chegada de novas formas mentais que o bem conduzia. Como se sabe, a aquisição de poder traz consigo “perigo” se não for gerido pelo Amor, e esta é a função da Hierarquia. Foi por isso que, em 1425, a Hierarquia, reunida no conclave de Shamballa:

 “decidiu que devia ser apresentada ao ser-humano evoluído e expectante uma imagem mais real da natureza divina do homem, e que ao erradamente interpretado princípio da obediência oculta devia se aplicar o "pedal suave" (se posso empregar esta frase) e os homens ser "liberados para poder penetrar" e -segundo se diz- lhes ensinar a reticência necessária mediante a prova e a experiência.”

O Discipulado da Nova Era II (Ensinamentos sobre a Iniciação. 6ª Parte pág. 278)

Parece claro, pois, que naquele ano se “abriu a porta” de entrada para a Idade Moderna e exemplo disso foi a chegada, poucos anos depois, do poder divulgador da Imprensa de Gutenberg;  a melhor compreensão  por parte da humanidade avançada dos conceitos de razão, liberdade, responsabilidade ou livre-arbítrio como características marcantes do Humanismo enfrentando a Fé “cega” tradicional; a chegada do “incrível” impulso criativo e cultural do Renascimento; a expansão da Burguesia e seus generosos mecenas promotores de todo o novo; a queda de Constantinopla com os últimos vestígios de épocas passadas ou a descoberta do “novo mundo”, América. Poderíamos dizer, sem medo de nos equivocar, que por aquele ano então a Humanidade começou a ser a criadora consciente de Seu próprio destino.





O relógio astrológico

Era claro, pois, que me encontrava frente a uma data importantíssima e que, portanto, a carta que dela devia surgir necessariamente tinha que ser  “especial”.  E assim foi, tracei o horóscopo* justo para a entrada do Sol em Áries, (momento que tradicionalmente se utiliza para os eventos gerais ou universais),  e me encontrei com esta excepcional carta.



CARTA



Um horóscopo que certamente oculta um grande “selo”, um grande início, um poderoso padrão astrológico que, após refletir, exponho dos vários pontos de vista que mais me chamaram a atenção.

Os 3 planetas impessoais

Sem dúvida alguma o primeiro que chama a atenção é observar que os 3 planetas impessoais, na época ainda não descobertos e muito vinculados com a Alma “das coisas”, estavam justo na entrada de um Signo!!, algo verdadeiramente muito difícil de encontrar e que simboliza a entrada de “um novo tempo”.

Plutão a transformação, “a morte do já caduco” entrava em Câncer, o signo da massa e seus costumes, dando a entender a morte e transformação de muitos dos costumes estabelecidos já caducados.

Um Plutão em Câncer, regido, esotericamente falando, por Netuno em Leão. Netuno, a sensibilidade no signo da autoconsciência, a Alma, dando a entender que dita transformação ia ser regida de uma percepção consciente da Alma.

E finalmente referida autoconsciência (Leão) regida por um Sol exaltado em Áries em conjunção com Urano. Uma poderosa conjunção que nos fala da chegada de uma grande novidade, “de um regalo imenso”. 

Áries, (a Vida, a Vontade do Uno), através de Leão, (a Alma ou o Amor do Dois) impactava em Câncer (o Três ou a inteligência da Mãe Matéria).


Astrologia de Aspectos

A partir da técnica que estuda o horóscopo através dos aspectos chama poderosamente a atenção os aspectos quase exatos que o Sol tem com os três planetas impessoais, tirem as suas próprias conclusões, mas a meu modo de ver o trino aplicativo que o Sol exerce sobre Netuno em Leão como regente dos planetas em Câncer é realmente excepcional. Nele se sustenta a promessa de que o imenso poder mental – iniciático que traz consigo a conjunção angular do Sol Urano em Áries poderá ser bem canalizado (trino) através da percepção consciente (Leão) dos novos  ideais (Netuno).

Uma linha de aspectos da qual participa com quase a mesma intensidade, a Terra, a zero graus de Libra e regente esotérico do ASCENDENTE em Sagitário, o signo que marca o caminho da Alma.


O Ascendente + Seu Regente Esotérico + Lua velando Urano na casa 1

Do ascendente, (como sabem, a qualidade que marca o caminho da Alma), se nos apresenta o poder de Sagitário, onde a palavra-chave é “o objetivo”.

Neste caso é a atitude focalizada que permite despertar e praticar novas e mais espirituais formas de expressão. Ter como objetivo o desenvolvimento ou, melhor dizendo, a transformação das Novas Ideias (que chegam através de Áries) como Ideais capazes de despertar os Devas superiores construtores das Novas Formas. Devas refletidos nas magníficas formas lunares (veladoras de Urano) que a carta apresenta com a Lua em Sagitário casa 1.

Neste sentido mais lunar e voltando à astrologia de aspectos, o trino aplicativo que a Lua exerce sobre Vênus em Áries, torna a ser promessa de êxito do antes exposto.

O signo ascendente + a lua estão regidos esotericamente pela Terra em Libra, casa 10, por sua vez regida por Urano+Mercúrio em Áries casa 4, a raiz. De alguma maneira todas as regências voltam a Áries casa 4, a raiz divina como o selo indiscutível de que neste horóscopo se desenha a possibilidade de expressar poderosos princípios através da intenção focalizada ou Ideal  que aconselha praticar o Ascendente Sagitário.




O papel de Escorpião

Por outro lado, o 4º Raio de Harmonia e Beleza alcançadas através do Conflito, qualidade regente da Alma humana,  também está muito presente através da poderosa e exata conjunção de Saturno e Júpiter em Escorpião. Esta conjunção é o claro símbolo do início de um novo ciclo para a humanidade.


Marte em queda em Câncer

A queda de Marte como regente exotérico de Áries e Escorpião dá a entender que o acima exposto em Câncer (a morte dos costumes caducos através de Plutão) será refletido na Alma humana (Escorpião) e no mundo das ideias (Áries) como um antes e um depois.

Diríamos que Netuno como regente esotérico de Câncer é a premissa principal para compreender a queda de Marte, e com isso ativar a oitava superior de Áries e Escorpião. Um planeta em queda, entendido da Alma, sempre é o símbolo de tudo aquilo que deve morrer para poder Ser.





O grande poder de Áries (1R) reativando-se através de Sagitário

É claro que nesta carta há uma grande presença do 3º Raio através de Libra-Câncer, do 7º Raio através de Áries-Câncer, do 4º Raio através de Escorpião-Sagitário, do 5º Raio através de Leão-Sagitário e do 6º Raio através do mesmo Arqueiro, mas é muito evidente que o Raio que mais presença tem é o 1º Raio de Vontade e Poder através de Leão e, sobretudo, de Áries.

Há uma clara ausência de 2º Raio, já que nem Virgem nem Gêmeos nem Peixes estão ativados. O 2º Raio só aparece através de Júpiter como regente exotérico de Sagitário, mas sua presença está debilitada ao estar em Escorpião, signo de 4º Raio, na casa XII. Mas esta ausência tem certa lógica, já que todos os princípios pertencem ao 1º Raio com seu poder de “destruir” e “penetrar”, o que posteriormente, graças ao 2º Raio (a visão e sua experiência consciente), será a construção de um “novo caminho”. Poderíamos dizer que nesta primeira etapa o Amor da Hierarquia ou 2º Raio está oculto por trás do Poder das ideias que Áries traz consigo de Shamballa ou 1º Raio.

Voltando ao grandíssimo poder que o 1º Raio ostenta na carta, se atentarmos bem para o signo do “Carneiro”, estão Mercúrio Urano e o Sol que são os regentes (exotéricos-esotéricos e hierárquicos) finais de todas os outros planetas/signos de todo o horóscopo incluindo o próprio Áries, sendo Urano (com suas novas ideias) o regente dominante final, por ser o regente esotérico da Terra em Libra e estar em Áries, sua própria regência hierárquica.

Nesta carta o grande poder de Áries - Primeiro Raio nos fala da clara vontade que houve em 1425 para iniciar um novo caminho. Um caminho que necessitou do Dom de Sagitário para chegar a bom termo.

Um Dom ou Qualidade que neste horóscopo vincula o poder de “focalizar” propriedade deste signo com o ato de Intuição Criadora característico do 4º Raio, com a Concentração Mental característica do 5º Raio e com a capacidade de centralizar ou Dirigir o Sentimento para o Ideal a realizar pertencente ao 6º Raio, todas qualidades do “arqueiro”.

Nesta carta, Sagitário é aquela atitude que presta toda sua atenção àquilo que, graças às energias de Áries, é pressentido como o ideal a seguir. Um Ideal (objetivo, intuição ou atitude mental) que certamente para a humanidade avançada da época foi dar um salto para a conquista de maior liberdade e autoempoderamento. O ideal do “divino” já não era tanto um mistério a respeitar como um mistério a conhecer, refletir, recriar, sentir e compartilhar.

De alguma maneira, em 1425 o relógio astrológico se sincronizou com o crescente poder da Humanidade (3) para penetrar nos segredos, com o amor mediador da Hierarquia (2) para bem conduzir referido crescente poder e com a vontade ou propósito de Shamballa (1) de manifestar tais segredos na Terra através da humanidade.



*o horóscopo traçado para toda Europa e eixo Mediterrâneo (pontos centrais do início da Idade Moderna) dá em todos os casos ASCENDENTE Sagitário, neste artigo expomos a carta resultante para Roma.




David C.M. (logos.astrologiaesoterica@gmail.com)