sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Piscis


                                                                              
                                                                                    Ricardo A. Giorgini


                                                                       Peixes: Redenção planetária 

Peixes é o signo que completa a roda zodiacal. O seu grande tema é redenção. Simplificadamente, podemos dizer que redimir significa trazer algo de volta ao seu estado original de pureza, liberdade e beleza. Durante o mês de Peixes (este ano de 19 de fevereiro a 19 de março), somos convidados a nos desapegar e sacrificar quaisquer atitudes, crenças e hábitos que produzem limitação, separação e nos impedem de expressar as nossas possibilidades mais elevadas.
A primeira coisa que, talvez, precisemos redimir é a própria imagem que fazemos do humano. Todos os mestres espirituais ensinaram a beleza e a bondade essencial do ser humano, e todas as tradições religiosas afirmam que o homem é um filho de Deus. Apesar disso, nós temos enfatizado exageradamente o outro lado, com inflamados discursos sobre pecado, culpa e degradação. Mas a escuridão não é superada falando de escuridão ou combatendo a escuridão. É preciso discernir a luz, valorizar a luz, alimentar a luz. Assim, é fundamental que nós, humanidade, redescubramos o fato de que o humano é essencialmente sagrado, e que a verdadeira natureza humana é amor, bondade, beleza, verdade e justiça.
A energia de Peixes confere uma aguda sensibilidade, capaz de encontrar a luz em meio à escuridão, perceber a ordem no caos e ver o bem por trás do mal aparente. Esta sensibilidade permite que nos sintamos partes de um Todo Maior, células no corpo de Deus, e que nos sintamos em contato com a divindade e em comunhão com tudo e com todos. Ela permite que reconheçamos e nos sintonizemos com o que há de melhor em cada pessoa, a começar por nós mesmos.
O desenvolvimento da sensibilidade, estimulado por Peixes, deve ser acompanhado pelo desenvolvimento mental. É função da mente compreender e interpretar corretamente aquilo que o coração percebe com sua sensibilidade. Quando isto não é feito, falta ao indivíduo um ajustado senso de proporção, então ele pode ver uma pequena fração da verdade e achar que já conhece a verdade toda. Aí surge um sentimento de ser especial, e frequentemente ele julga que seu grupo, teoria ou doutrina detém o privilégio da salvação.
Sem o complemento de uma mente potente e esclarecida, a sensibilidade pode levar à vulnerabilidade e à passividade. Então, o indivíduo se abala demasiadamente com o aparente mal em si mesmo, nos outros e no mundo. E não consegue aplicar à sua vida prática todas as aspirações, sonhos e ideais do coração. Por isso, todos devemos almejar o equilíbrio e complementação entre cabeça e coração, razão e sensibilidade, firmeza e flexibilidade, planejamento e espontaneidade.
Há uma árvore latente em cada semente, que só precisa das condições adequadas (como nutrientes, água e luz) para germinar e crescer. Semelhantemente, faz parte da natureza humana aprender, amar, compartilhar, se doar... Só é preciso que não atrapalhemos o processo, com culpas, exigências descabidas, apegos, etc. A influência de Peixes nos convida a renunciar a crenças em favor de uma verdade mais ampla, e sacrificar a visão superficial em favor de uma percepção mais profunda, e nos abrir para o melhor em nós e nos outros, e cultivar uma refinada sensibilidade ao bem. Complementada pela correta atuação da mente, que a humanidade vem desenvolvendo consistentemente, o resultado será a redenção planetária.

Ricardo A. Georgini

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Aquário, a realidade do grupo Uno

Martín Dieser

O período regido subjetivamente por Aquário, e em particular o plenilúnio, nos traz à consciência uma certeza, e é que todos formamos parte de um grupo. Assim como Leão brinda a noção e o sentido de se pertencer a um centro, Aquário permite a fluidez na direção do similar, de coração a coração, horizontalmente.
A energia de Aquário, por meio do seu regente esotérico, Júpiter, estimula potentemente o centro cardíaco e nos abre a consciência para a própria natureza do grupal, do qual os grupos esotéricos são parte importante.
Um grupo esotérico não é um mero agrupamento de indivíduos com interesses comuns e mente potente, é, em sua raiz, uma realidade vivente que emana do coração, que deste mesmo centro se alimenta e inunda com sua Presença cada uma das atividades do discípulo, que assim encarna o Plano em sua totalidade e desempenha uma parte, tornando-se literalmente o Amor em ação nos três mundos.
Normalmente essa função expressiva de Aquário como agente do Plano é simbolizada na Aqua Vitae. A água da vida é uma fonte de eterna juventude e renovação que se encontra ao alcance de todo servidor sincero; para ter acesso à mesma, cabe não se esforçar por obtê-la, mas tomar consciência de que no centro do nosso ser existe um manancial repleto de Vida, que constitui o fundamento oculto do ato de verter a água, tão próprio do signo. Todos somos chamados a distribuir essa água.
Distribuir e partilhar é a essência da mensagem aquariana e a nota-chave da energia que, segundo se diz, encarnará o Instrutor do Mundo quando (em breve) reaparecer na Terra. A influência de Urano, planeta de 7º raio e regente de Aquário nos três mundos, está levando este princípio a uma expressão física, e sem dúvida uma de suas manifestações mais claras é a Internet.
Mas também se pode entender o distribuir e partilhar em um sentido mais direto, como um “compartir sem compartir”. Quando a consciência cede, impotente, para dar lugar à Vida, quando o Amor é absorvido pela Vontade, acede-se a uma nova dimensão, a um ponto de confluência do qual começa-se a perceber, e já não só a conhecer conceitualmente, que o Portador de Água, o cântaro e a água são Uno, que na realidade nada (e tudo) há para compartir quando é o Uno que se realiza a si mesmo; ao mesmo tempo existe a noção de dualidade e a irradiação se apresenta como a forma primordial de serviço.
A verdadeira energia Una demanda que a consciência se esgote a si mesma, se revele como insuficiente e clame pela assistência de um fator mais: a Vida. Quando Vida e consciência se conhecem como Uno, os dois grandes rios podem ser combinados, e o fluxo resultante remove todas as limitações da forma, realizando a simbólica limpeza dos estábulos de Áugias, segundo relato contido em Os Trabalhos de Hércules.
Esta força irresistível é a força de Shamballa, a força que submerge continentes e forja raças inteiras. A humanidade é capaz de invocar esta energia sob a forma de fogo elétrico puro, mediante a consciência grupalmente enfocada no plano átmico, e sua correta utilização será a nota distintiva da Era de Aquário, para o qual a terceira fase da revelação da Sabedoria Eterna será preparatória. É a força que liberará a humanidade e abrirá as portas à sua dimensão cósmica.
Observando a atualidade, seria possível dizer que no Egito a energia de Shamballa levou o triunfo da liberdade ao plano físico, impulsionando a alma deste grande país (onde funcionará a mais elevada das Escolas de Mistérios) a um renovado ciclo de atividade.
O tempo dirá se o que se trata ali é um evento isolado ou uma série de impactos grupalmente invocados e dirigidos sob um propósito unificado e definido…
Em todo caso, Aquário é sempre um bom período para vivenciar essa grande realidade que é o grupo, em cujo centro reside a essência do que o Portador de Água distribui, que reside na própria Vida.