sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

"a clareza de uma definição" (sol, ascendente, lua)

                                                      
                                                
    Três pontos-chave de uma carta astral.


O signo do Sol

Indica o problema atual do homem; fixa o passo ou ritmo estabelecido de sua vida pessoal; relaciona-se com a qualidade, temperamento e tendências da vida, que procuram se expressar durante esta particular encarnação e sugere o aspecto rajásico ou atividade do homem “que nascerá”. Fundamentalmente as forças deste signo indicam a linha de menor resistência.


O ascendente ou signo nascente

Indica a vida futura e o propósito imediato da alma para esta encarnação. Mantém o segredo do futuro e apresenta a força que, corretamen­te empregada, conduzirá o homem ao êxito. Representa o as­pecto sátvico ou harmônico da vida, e pode produzir corretas relações entre a alma e a personalidade em uma dada encarnação, assinalando assim o Caminho para reconhecer a força da alma.


A Lua

Este tipo de força (procedente de certos pla­netas e não da Lua) indica o passado. Em consequência, resume as limitações e os obstáculos presentes. Rege o corpo físico e mostra onde se encontra a prisão da alma.

                                                                                                                       DK- Alice Bailey


Esperamos que estas definições sirvam para conhecer de forma mais clara e concisa o que a astrologia esotérica opina sobre estes três pontos tão importantes de uma carta astral, e que graças à clareza da sua definição vocês possam aprofundar mais, se for o caso, no seu “padrão energético”.
Estas definições são encontradas no início do livro: “ Astrologia Esotérica” de Alice Bailey

Grupo Logos

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Raio da Alma - Raio da Personalidade (Relação)









Raio da Alma - Raio da Personalidade (Relação)


Com referência ao último artigo sobre as 7 diferentes formas de meditar, é importante saber que, neste tipo de meditação, também deve ser incluída a força do raio da personalidade, já que é através desta personalidade que a qualidade essencial do raio da Alma deve ser canalizada e expressa.

Para compreender melhor a relação entre estes dois raios, hoje publicamos um texto muito esclarecedor do Mestre DK, extraído do livro de Alice Bailey: “Cartas sobre Meditação Ocultista”.

É recomendável, para compreender corretamente esta relação, fazer uma leitura reflexiva à ilustração prática exposta na segunda parte do texto.




Texto:

 O raio da personalidade ou eu inferior.

 Hoje nos ocuparemos das funções do raio da personalidade para determinar este método. Como se sabe, o raio da personalidade é sempre um sub-raio do raio espiritual, e varia com mais frequência que o raio egoico. Nos Egos evoluídos, que hoje se encontram entre os pensadores da raça e os trabalhadores avançados, em todos os setores de atividade no mundo, o raio da personalidade pode variar vida após vida, cada vida sendo baseada em uma nota diferente e manifestando uma cor distinta. Desta maneira o corpo causal vai se equipando mais rapidamente. Quando a unidade reencarnante alcançar a etapa em que pode escolher conscientemente a sua modalidade de expressão, primeiramente recapitulará as suas vidas anteriores e o conhecimento assim adquirido o guiará para escolher a seguinte. Antes de reencarnar ressoará a sua nota egoica e observará a falta de perfeição ou a dissonância que possa conter; decidirá, então, que nota fundamentará a vibração da sua futura personalidade.

Possivelmente dedicará uma vida a emitir uma nota específica e a estabilizar uma determinada vibração. A nota deve ser emitida e a vibração estabilizada em diversas circunstâncias. Daí a necessidade de que a vida do aspirante ou do discípulo tenha mudanças frequentes, o que explica a flagrante condição de variedade e caos aparente que caracterizam tais vidas.

Quando a dissonância tiver sido corrigida e a vibração se mantiver constante e não sujeita a mudanças, o trabalho necessário terá sido feito. O Ego pode novamente reunir forças, antes de continuar a tarefa de aperfeiçoamento do corpo causal e levar o acorde desejado a uma perfeita exatidão e clareza de tom. Então se verá o quanto é necessário adaptar o método de meditação à necessidade da personalidade, sincronizando-o ao mesmo tempo com o primeiro fator e envolvendo o raio do Ego.


Ilustração prática.

Permitam-me ilustrar, a fim de esclarecer de algum modo esta questão, pois é desejável que haja uma exata compreensão.

Suponhamos que o raio egoico ao qual A pertence seja o de amor ou sabedoria, enquanto o raio do seu eu inferior é o quinto raio ou de Conhecimento Concreto. Em vidas passadas, A demonstrou amor e realizou verdadeiros progressos mediante o método do raio sintético, o de expansão. Agora ama intensamente e sua consciência se expande com grande facilidade, até incluir uma parte exata das circunstâncias ambientais; mas, embora possua inteligência normal, carece da vibração estabilizadora, inerente ao quinto raio. Não tem a concentração que força resultados, e necessita do fundamento básico de fatos, antes de poder progredir inteligentemente e sem perigo. O instrutor prudente, ao se dar conta desta necessidade, emprega o método de expansão inerente ao raio egoico, e o aplica à expansão do corpo mental. Mediante o método, inteligentemente atribuído, a faculdade de expansão (utilizada até então somente para incluir outros por meio do amor) será aplicada ao esforço concentrado com idêntica finalidade de expansão, mas com o propósito de adquirir conhecimento. Alcançado isto, todo esforço da vida pessoal poderá se dedicar, aparentemente (em uma dada encarnação) a adquirir uma postura científica e ao desenvolvimento da mente. O progresso intelectual poderá parecer de grande importância para o observador desinformado; no entanto, a tarefa prossegue como o guia interno desejou, e só a vida seguinte demonstrará a sabedoria da escolha egoica.

Combinando os métodos de segundo raio com a dedicação do quinto raio, será alcançada a expansão intelectual. Ficou claro? Procuro escrever com clareza, porque a meditação é de vital importância para muitos.

Portanto, depois de uma cuidadosa análise, ficará evidente que quanto mais sabemos, menos julgamos. Uma pessoa poderá ter desenvolvido o aspecto amor; não obstante, em determinada encarnação, este aspecto poderá ser passivo, e a linha de desenvolvimento mais evidente será a estritamente intelectual. Abster-se de opinar é a melhor atitude para o observador inteligente, pois ainda não possui a visão interna que vê a cor, nem o ouvido interno que lhe permite reconhecer a nota.


Alice Bailey - DK