quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Feliz Natal



 
  


Nascer

"O Natal é o nascimento do Amor através de um Menino. Se queremos que este Menino cresça, temos de cuidar do Amor que O impulsionou."
"O Amor que pertence à Alma; a energia, que com a sua flexível compreensão, organiza e une as três forças da personalidade (sensação-sentimento-pensamento), para a maior expressão do Seu Amor."
"Anjos, Família, Pastores, Reis, Animais, Estrelas... todos se dirigiram ao Nascimento, não importa a condição, porque, como Ele mesmo nos disse, em tudo e em todos reside o Amor."

Feliz Natal


                   

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O autoconhecimento através da carta natal.







O autoconhecimento

Na simplicidade universal do mandado délfico “conhece-te a ti mesmo” está inscrita a inspiração que nos aproxima da nossa Origem. Graças à simplicidade deste aforismo, podemos intuir que para penetrar na profundidade de seu significado devemos praticar altas doses de honesta reflexão junto com sua correspondente introspecção compreensiva.

Poderíamos muito bem dizer que conhecer a si mesmo implica em iniciar um caminho que vai do exterior para o interior. Do fato objetivo para sua causa subjetiva. Da imagem aparente para seu significado revelado. Da força excludente ou condicionada do desejo pessoal para a energia incluente ou incondicional do amor da alma.

Para andar este caminho ante todo é mister que a consciência tenha a sincera necessidade de andá-lo. Uma vez que apareça a “chispa” ou a real motivação de avançar, será a própria Alma ou Consciência que marcará os passos e ritmos necessários para chegar a reconhecer ou ser consciente da energia fundamental que a ela mesma pertence, a divina qualidade que lhe permitirá alcançar a Origem.

Da psicologia esotérica nos é dito que há 7 tipos fundamentais de energias com suas características correspondentes. Por sua vez também nos é dito que cada Alma, assim como também cada Personalidade, pertence a uma destas 7 energias; afirmando, como é lógico pensar, que o tipo de energia à qual pertence a alma é muito mais condicionante que a que pertence à personalidade. É também uma premissa da psicologia esotérica afirmar que toda consciência que avança no caminho espiritual tem por direito evolutivo chegar a saber, no momento mais oportuno, a que tipo de energia principal sua alma pertence e como esta o condiciona em seu pensar, sentir e fazer diário.

Oferecemos aqui um pequeno esquema-resumo, (extraído do livro Psicologia Esotérica II de Alice Bailey), de como estas 7 qualidades principais se expressam através do instrumental psicológico do ser humano:











O papel do Hóroscopo

Reconhecer nossas energias principais não é algo tão simples e deste blog consideramos que uma boa maneira de iniciar tal caminho de autoconhecimento, (que de forma gradual, moderada e segura nos permitirá, a seu devido tempo, reconhecer nossa energia principal mais condicionante ou Raio da Alma), é através do autoestudo ou vivência consciente do próprio horóscopo.

O mapa natal em si mesmo é um padrão energético onde se mesclam e entremesclam com maior ou menor intensidade e perfeição as 7 energias principais acima indicadas. Podemos considerar então que esta amálgama de significados que o horóscopo nos propõe é o caminho através do qual a consciência deverá transitar em determinada vida para se aproximar mais e melhor da sua síntese principal ou Raio ao qual pertence a sua Alma.


Os 3 passos chave para avançar no caminho do autoconhecimento através do estudo da própria carta natal são:

  • 1: o primeiro passo e o mais importante é procurar perceber (desde a mente-coração) as possibilidades de renovação e reajuste que o significado do nosso signo Ascendente pode exercer em nossa consciência. Para isso temos de nos perguntar como podemos adquirir e aplicar suas qualidades em nossa vida. Trata-se de ir descobrindo e experimentando como a energia do signo junto com os princípios, ideais ou valores que lhe são associados, nos permite praticar a auto-observação, dizendo de outra maneira, trata-se de prestar atenção a como o significado do signo ascendente nos permite des-identificar a mente de nossas emoções-ações mais egoístas. O desapego mental dos desejos pessoais é o primeiro passo para alcançar um pensamento mais livre, incluente e criativo. A independência mental inspirada pelo Amor incluente da Alma (refletida no signo ascendente) é a chave principal para aprofundar no mandato délfico “conhece-te a ti mesmo”.

  • 2: No segundo passo trata-se de “se dar conta” (ser consciente) de que é a força do signo solar que nos permite gerir emocionalmente todas as nossas tendências ou desejos mais pessoais. A astrologia esotérica considera que o signo solar está relacionado com a mente apegada aos desejos e que, portanto, este signo é obrigado a conviver muito de perto com aquelas “singularidades próprias” ou formas lunares emotivo-compulsivas que desde a nossa infância - juventude nos acompanham na realização prática mais ou menos exitosa destes (desejos).

  • 3: No terceiro passo trata-se de aceitar que estas “singularidades” ou também chamadas formas mentais lunares são a herança do passado, (carma bom ou ruim), que nutre a nossa experiência vital ou física mais real ou terrenal. Há que entender que são precisamente estas tendências lunares as ferramentas objetivas que nos permitem, primeiramente através da força do signo solar, adquirir experiência de personalidade, para mais adiante, com uma personalidade mais integrada ou com as ferramentas mais aperfeiçoadas, poder dar o passo seguinte e perceber a possibilidade de utilizar estas ferramentas para aceder à luz da alma através do signo ascendente.


Aspectos astrológicos:

Estes 3 passos podem ser analisados para uma maior compreensão de seu nível mais puramente técnico-astrológico:

O passo 1 está relacionado com o significado do regente esotérico do signo ascendente, assim como com sua frase correspondente para a consciência da Alma que no final* do artigo oferecemos para cada ascendente. Aplicar corretamente este ponto permite entender a força do signo solar como uma força complementar da energia da alma refletida no signo ascendente.

O passo 2 está muito relacionado com o significado mais tradicional do signo solar, assim como com as características de seu regente exotérico. Este ponto permite ser consciente do tipo de força da que dispomos para manejar, através de nossos desejos mais pessoais, as formas lunares mencionadas no passo 3, assim como a posição dos planetas por casa.

O passo 3* como já dissemos anteriormente, está muito relacionado com as tendências mais básicas da consciência. Singularidades mais cármicas, tanto negativas como positivas. Estas tendências na carta natal estão relacionados com a lua-nodos, posição de planetas por casa e seus aspectos. Neste caso, só destacaremos o reflexo (na carta) de os aspectos e posições astrológicas mais difíceis, devido a que mais provavelmente são as dificuldades e não as facilidades que ocultam a oportunidade que nos permitirá sentir a necessidade de avançar no caminho.

Situações astrológicas “difíceis” que devem ser consideradas:

  • a) Os Planetas situados em casas angulares (1-4-7-10), sobretudo planetas pesados como Saturno ou Plutão, ou excessivamente egoístas/agressivos como Marte devem ser analisados e refletidos cuidadosamente. É claro, só para citar um exemplo, que um Saturno angular na casa 7, sobretudo se está em conjunção com a cúspide da casa e mal aspectado, pode suscitar dificuldades em algo tão importante como são as relações de casal. Referida dificuldade, primeiramente deve ser vivida conscientemente (neste caso dolorosamente) através do signo solar e posteriormente sublimada ou regenerada para o bem maior através do significado do signo ascendente ou consciência de Alma.

  • b) A situação dos nodos, cabeça e cauda do dragão, sobretudo se estão em casas angulares ou em conjunção com um planeta. Os nodos lunares sempre marcam algum tipo de tendência (herança de um passado) muito cristalizada relacionada com o significado da casa e/ou o planeta em questão.

  • c) Os aspectos mais duros (quadratura, oposição, conjunção) que podem exercer Saturno, Marte, Plutão, Urano ou Netuno, sobre planetas mais “sensíveis e próximos” como a Lua, Sol, Vênus, Mercúrio ou Júpiter. Estes aspectos muitas vezes transmitem tensões pessoais relacionadas com o significado dos planetas implicados e sua situação no horóscopo.

  • d) Planetas como a Lua ou Vênus em casa 6, 8 ou 12 também podem ser um sintoma de dificuldades. A vulnerabilidade lunar e a sensibilidade venusiana não estão ajustados com o significado de referidas casas.








Respeitar os ritmos

Para que este (poderíamos chamar) método para o autoconhecimento funcione é muito importante, da própria honestidade reflexiva, reconhecer e afinar a intenção que se oculta após todo pensamento, ação ou necessidade.

Faz-se necessário entender que a consciência não pode saltar diretamente para o significado principal que muitas vezes, equivocadamente, cremos possuir do raio da alma sem antes ter trabalhado com o poder que exerce em nossa consciência e experiência vital o significado do signo ascendente com seus respectivos complementares: signo solar, situação da lua e planetas em casas.

Esta forma astrológica de se tornar consciente do raio principal da alma é mais segura, já que, se a hora de nascimento é a correta, o ascendente é uma evidência mais objetiva sem medo de equívoco que não o possível raio da alma que cremos ou ao qual gostaríamos de pertencer.

Há que dizer por isso que se há dúvidas ou não se dispõe da hora nascimento mas a intenção de avançar no caminho é constante e sincera, sempre aparecerá a ressonância no coração, aquela intuição ou saber que permite decidir qual é o signo ascendente mais adequado. Neste mesmo sentido também pode ocorrer que sem saber de astrologia, nem de raios ou energias, o buscador sincero, no momento mais oportuno para sua alma, possa reconhecer a partir da sua consciência intuitiva, com que tipo de características ou 7 qualidades superiores sua alma é mais relacionada.

Consideramos, pois, que é muito importante respeitar os ritmos, já que com frequência, devido a interesses e intenções ocultos mais pessoais que não da alma, se pode confundir, com seus correspondentes resultados negativos, a energia espiritual do raio da alma pela força mais material do raio da personalidade.



CADÊNCIA RESUMO:

Portanto, deste blog sugerimos que a cadência a seguir seja a seguinte:

  • Consciência reflexiva ou subjetiva do significado do signo ascendente e seu regente esotérico.
  • Consciência prática ou experiência objetiva de como afeta a energia do signo ascendente (mente espiritual desapegada) sobre a energia de signo solar (desejos ou apegos pessoais)
  • Consciência de como gerir, utilizar e vivenciar a partir da força do signo solar e seu regente exotérico os corpos lunares de expressão ou a natureza do carma que o horóscopo reflete.
  • Saber que realizar referido trabalho com insistência e sinceridade leva paulatinamente a reconhecer, na consciência subjetiva, o raio da alma em seus diferentes graus de expressão segundo seja a necessidade evolutiva da consciência que se esforça.
  • Saber que o significado subjetivo do raio da alma só pode ser expresso objetivamente através das características pessoais (mente concreta – emoção – corpo físico) equilibradas e integradas, características estas que, unidas, “falam” de qual pode ser o raio da personalidade, o complemento principal do raio da alma.









Conclusão

Este artigo poderia estar redigido ao contrário, isto é começar pelo ponto 3 ou “as raízes na terra” e acabar pelo reconhecimento na consciência da qualidade amorosa que mais condiciona a Alma ou “os frutos no céu”.

A experiência terrena mais básica ou instintiva-lunar nos oferece o campo onde floresce a oportunidade de adquirir experiência pessoal ou solar, mas tarde esta experiência se esgota e desde sua insuficiência se cria a necessidade de uma maior compreensão, aí aparece o buscador sincero, o signo ascendente, que em seu processo nos guiará até nossa energia superior mais condicionante ou também chamado Raio da Alma. 








   
*AS PALAVRAS-GUIA PARA OS SIGNOS DO ZODÍACO

  • Áries. – Eu me exteriorizo e do plano da mente governo.
  • Touro. - Eu vejo e quando ou olho está aberto tudo é luz.
  • Gêmeos. - Eu reconheço ou meu outro eu e, ao minguar aquele, Eu cresço e brilho.
  • Câncer. - Eu construo uma casa iluminada e nela moro.
  • Leão. - Eu sou Aquele, Aquele sou Eu.
  • Virgo. - Eu sou a Mãe e ou Filho, Eu, Deus, matéria sou.
  • Libra. - Eu escolho ou Caminho que conduz entre as duas grandes linhas de força.
  • Escorpião. - Eu sou um guerreiro e da batalha saio triunfante.
  • Sagitário. - Eu vejo a meta, Eu atinjo essa meta e, então, vejo outra.
  • Capricórnio. - Eu estou imerso na luz suprema e a esta luz dou as costas.
  • Aquário. - Eu sou a água da vida, vertida para os homens se­dentos.
  • Peixes. - Eu abandono ou Lar do Pai e, retornando, salvo.

 
* Consideramos que para aprofundar com maior clareza sobre os parágrafos “b” e “d” do ponto 3 é melhor utilizar a posição de planetas e nodos por sistema de casas iguais, assim como o estudo mansão (nakshatra) lunar que a Astrologia Védica propõe.
A possibilidade de obter estas cartas védicas (jyotish) está à disposição do estudante em muitos websites da internet. De seu aspecto mais básico material, ou reflexo instintivo lunar, deste blog consideramos a astrologia védica oriental mais acertada que a ocidental. 

 

David C. M. (logos.astrologiaesoterica@gmail.com)

domingo, 13 de setembro de 2015

Os Planetas para a Astrologia Esotérica








A Consciência e os Planetas

Para a astrologia esotérica, o significado dos planetas e, portanto, seu tipo de influência, depende do tipo de consciência que deve gerir sua energia. Isto é, o poder de um planeta não é fixo, porque sua influência está condicionada à consciência em constante evolução.
Neste sentido, podemos dizer que o poder espiritual que flui através de um planeta tem relação direta com o nível espiritual que atesoura a consciência que reflete as suas energias.

Dito de outra forma, a utilidade de um bom livro ou uma grande ideia dependem, em grande medida, da consciência que lê, interpreta, assume e aplica em sua vida cotidiana referido livro ou ideia.




Alma – Personalidade

Este artigo se desenvolve inspirado nas duas linhas de força principais que afluem à consciência de um ser humano de “tipo médio”, em que a força mais pessoal, (instintiva-egoísta-materialista), se entremescla com a força da alma (intuitiva-abrangente-sacrificada). .

Devido à suma importância que têm estes dois aspectos em nossa consciência, as diferentes características espirituais ou materiais dos planetas que são descritas a seguir devem ser interpretadas com seu devido cuidado, flexibilidade, imaginação, honestidade, bom senso e raciocínio inclusivo.

Transmutar ou transcender o poder exotérico ou significado tradicional de um planeta para seu significado mais esotérico só é possível alcançar adquirindo consciência de Alma através do esforço de "seguir no caminho" com  da prática da meditação, da autorreflexão, da disciplina dos corpos inferiores, da inofensividade e do correto serviço, atitudes que permitem pouco a pouco perceber, compreender e utilizar o aspecto mais espiritual de um planeta frente a seu aspecto mais evidente ou materialista

Não se trata de controlar ou inibir o poder ativo-material de um planeta, mas sim de evoluir (adquirir experiência e consciência) através dele para assim compreender a possível qualidade-utilidade esotérica que seu poder exotérico encobre. Como já sabemos, o significado maior sempre inclui o menor.








Características dos planetas



Urano: “a mente cósmica”
Urano é a Origem, a Mente Cósmica através da qual flui a Ideia Primeira que imprime seu poder na Matéria.
Em consciências muito avançadas é o correto impacto que exerce na mente o poder de uma ideia espiritual genuína. Isto traz consigo uma Nova atitude mental que permite unir espontaneamente “a vontade divina” assentada no chacra coronário com a “vontade da matéria” assentada no chacra base. Esta união necessariamente se materializará no entorno destas consciências como serviço ou atividade espiritual.

Em seu reflexo em uma consciência mais mundana, as características de Urano são as ideias originais criadoras de desapego, individualismo e liberdade para atuar, mas que em consciências egoístas comporta imprevistos, desconexão, atitudes egocêntricas, excêntricas, erráticas e muitas vezes também destrutivas.

A consciência de alma tem a capacidade de desapegar a mente dos assuntos pessoais e esta impessoalidade é o primeiro passo para ser receptivo às ideias cósmicas que fluem através de Urano.



Netuno: “o sentimento celestial”
Netuno é o “Deus da água”, através do qual flui a Divina Emoção que permite o “leitmotiv”, aquele Ideal Sensível que motiva na Matéria o Amor que sente, comparte, relaciona e ama.

Netuno, nas consciências muito avançadas, é a qualidade que, através de um plexo solar sereno, isto é, não agitado pelo desejo, pressente a “emoção divina” no coração graças à intuição. Somente as águas tranquilas podem refletir com clareza a luz do céu.

Em uma consciência egoísta, Netuno se mostra como a idealização enganosa forçada pelo excesso de desejo inferior. Neste caso, a agitação do plexo solar pela excessiva emoção arrasta e confunde a mente, obrigando-a a depender ou a justificar tal idealização. Neste caso, as águas revoltas não podem refletir a clareza do céu. O coração ofuscado necessita e deve atender a sabedoria da Alma por cima da personalidade emocional, somente então através de Netuno aflui o sentimento divino ou incluente.




Saturno “a lei da matéria”
Saturno é Lei que rege a Matéria, através da qual flui a evolução inteligente e ordenada do nosso sistema.

Saturno, em consciências avançadas, é a inteligente atitude através da qual a consciência é capaz de transmutar a forças criativo-inconscientes do centro sacro nas forças criativo-conscientes do chacra da garganta.

Se as circunstâncias criadas por Saturno são inteligentemente avaliadas pela consciência envolvida, convertem-se então no trampolim para uma vida mais frutífera e ordenada. Saturno é aqui o “Deus da oportunidade”.

Em seu reflexo em uma consciência mais materialista, Saturno se mostra como “o Deus da dificuldade” ou a circunstância criadora de frustração. Neste caso não há consciência de Alma, e a consciência pessoal é incapaz de compreender ou aceitar a negação daquilo que tanto deseja. Neste sentido não nos cansaremos de repetir que a frustração saturnina, se é inteligente e amorosamente tratada, é a grande oportunidade para que a consciência “pare”, reflita, ordene e escolha conscientemente o próximo passo a dar ou caminho a seguir.



. . . . .

Em última instância, em nosso sistema solar, estes 3 primeiros planetas são a síntese final da Divina Trindade expressa como: Vontade (Urano) – Amor (Netuno) - Inteligência (Saturno)

. . . . .



Júpiter “a generosidade do todo”
Em seu aspecto mais espiritual, Júpiter é a qualidade que permite incluir em Um Todo os todos. Através de Júpiter flui o Sábio Amor que gera a união na diversidade.

Em consciências conscientes da Alma, a qualidade jupiteriana permite “pensar com o coração”, isto é, permite a compreensão incluente.

Em consciências mais personalistas, Júpiter continua sendo o poder de ser generoso, mas de seu próprio interesse com os perigos de exclusão que isso traz. Através deste tipo de consciências não pode fluir adequadamente a compreensão do coração, porque sua mente está excessivamente centralizada em seu eu inferior.



Marte “a divina rebeldia”
Em seu aspecto mais espiritual, através de Marte flui o poder de concentrar, ativar e dirigir a força da matéria para um objetivo espiritual.

Marte, “o Deus da guerra”, em uma consciência espiritual avançada, é a implicação ativa, a coragem e a persistência que utiliza as forças básicas (chacra sacro) mais pessoais em prol do valor ou objetivo espiritual no qual se crê.

Em seu reflexo em uma consciência mais mundana, Marte é a rebeldia egoísta que impõe seu poder pessoal, “o que eu quero”, através da ação agressiva.

Diríamos que Marte deixa de ser agressivo para ser um “nobre guerreiro” quando é a consciência da Alma, e não a pessoal, que prioriza a necessidade ou o objetivo pelo qual há de lutar.



A Terra “a deusa mãe”
Em seu aspecto mais espiritual, a energia da Terra é o Campo da Experiência onde a leis que presidem a relação entre o espiritual e o material podem ser vivenciadas. A fecundidade da Terra é o fruto de tal relação.

Para uma consciência evoluída, a vida terrena é a oportunidade de demonstrar através do serviço altruísta prático (fecundo) a relação existente (nessa mesma consciência) entre espírito e matéria.

Para uma consciência mais egoísta, isto é, menos incluente, a Terra é o lugar para experimentar o poder destrutivo que implica não ser espiritual. A atitude egoísta é durante muito tempo (vidas) a atitude natural de uma personalidade em crescimento, portanto, de acordo com as consciências, pode ser uma atitude necessária e frutífera, mas no caminhar evolutivo sempre chega o dia em que esta atitude se volta contra nós se não reconhecemos na consciência a qualidade superior da Alma acima do mais pessoal.


Vênus “a deusa da beleza”
Através de Vênus flui a qualidade que permite Harmonizar o Amor com a Matéria, concretizando assim a Beleza na Forma.

Vênus, em uma consciência que atende a Alma, é o amor inteligente ou equilíbrio gerador de silêncio; silêncio que evoca ou desperta os sutis matizes emotivos (situados no plexo solar) como são cor-tonalidade-sentimento-sensibilidade ou melodia, todos eles criadores (através do chacra garganta) da Beleza

O silêncio é a antessala para a chegada das “musas ou anjos construtores”, a antessala para a espontânea inspiração e sua expressão, e não há que esquecer que tudo aquilo que é belo é bom e, portanto, é espiritual, positivo, benigno e necessário.

Em seu reflexo em uma consciência mais primitiva, onde o desejoso plexo solar e sua correspondente atitude mental ainda são excessivamente toscos ou pouco refinados, Vênus é a beleza evocada pelo desejo-inferior, que por outro lado, para este tipo de consciência, também é positiva, necessária e benigna.


Mercúrio “o Deus da comunicação”
Mercúrio é a qualidade que permite a inter-relação das diferentes partes que pertencem ao Todo Divino.

Mercúrio, em uma consciência com experiência de Alma, é a intuição (forma mental divina) que permite relacionar a partir do correto raciocinar o que até então estava dividido. Do chacra entre as sobrancelhas, “a agilidade” mercurial toma contato, raciocina, maneja, relaciona e, portanto, unifica as dualidades implicadas no processo evolutivo de referida consciência.

Em seu reflexo em uma consciência mais mundana, onde o desejo tem tendência a não ser equilibrado, Mercúrio é a fluidez mental sem sentido, instável, sem constância, caprichosa, ingênua, rebuscada, com ideias e razões não justificadas ou excessivamente justificadas, em definitivo, uma mente “tagarela” condicionada pelo desejo excessivo.


Vulcano “o Deus forjador”
Através de Vulcano flui o poder da Vida que modela o Propósito Espiritual na Forma Física. Se falamos de Vulcano, Vida, Propósito Espiritual e Forma Física são conceitos indivisíveis.

Em consciências muito avançadas, a vontade espiritual assentada no chacra coronário é utilizada conscientemente para forjar um corpo físico, a través do corpo vital ou 7 chakras,  acorde com tal vontade espiritual. Como se pode supor, trata-se de uma atitude que demanda um nível de consciência muito avançado.

Nas consciências não tão avançadas, Vulcano também é a vontade espiritual forjada no corpo físico através da vida refletida no corpo vital, embora, como é lógico pensar, o forjado por Vulcano estará intimamente relacionado com o nível espiritual e as condiçoes do corpo vital de cada uma de referidas consciências.


Plutão “o Deus da transformação”
Através de Plutão flui o poder espiritual que permite a Destruição que pavimenta o caminho para a Boa Nova que está por chegar. Em Plutão se sinaliza a riqueza que traz consigo a transformação espiritual.

Plutão, “o Deus do Hades”, tem contato com as “forças escuras” da matéria capazes de “matar” ou transformar, a partir do chacra base, via coluna vertebral-cérebro, todo tipo de emoções ou padrões mentais caducos e desnecessários para a correta evolução.

Levar a cabo esta atitude de forma plenamente consciente é sumamente difícil; o que, sim, é mais possível, através da consciência da Alma com sua característica flexibilidade mental, é ser um “aliado” das forças que por detino evolutivo nos influi através de Plutão.

Em seu reflexo em uma consciência mais mundana, Plutão é o poder destruidor gerado pelo desejo excessivamente intenso, apegado e “escuro, vinculado com a riqueza atraente da matéria densa, refletida como sexo, dinheiro ou poder. Este tipo de consciências só pode entender a destruição plutoniana como um reflexo das “forças escuras” inconscientes e incontroláveis que vêm do exterior.









Os planetas mais importantes segundo o horóscopo

Os planetas, por ordem de importância, a considerar e refletir pela consciência de alma são:
  • O regente esotérico do signo ascendente. Este planeta deve ser refletido e utilizado do seu significado como regente esotérico e não tanto exotérico, já que suas qualidades só podem ser utilizadas quando rege a consciência de Alma.

  • Qualquer planeta em conjunção angular (As, Mc, Dc, Fc). Estes planetas têm um proeminente poder de condicionar a expressão externa do sujeito e seu entorno, portanto merecem ser atendidos com grande sabedoria por parte da consciência em questão. Eles, em sua forma de atuar, podem refletir claramente a dualidade de consciência exposta no início do artigo, e portanto é nosso dever refletir e trabalhar com o significado de suas energias subjetivas, assim como também com seus efeitos mais objetivos.
  •  
  • Saturno, Netuno e Urano. Estes três planetas, em consciências com já certa capacidade espiritual consciente, fazem sempre uma clara referência à Alma, portanto é importante refletir sobre sua posição no horóscopo, tanto por signo, regente e casa, mas sobretudo por seus aspectos “duros” (quadratura, oposição, conjunção) com os planetas mais pessoais como Vênus, Mercúrio, Marte, Terra, Sol e Lua.
  •  
     
  • O regente exotérico do signo solar. É importante entender que a qualidade de consciência que este planeta realça está muito relacionada com as tendências da personalidade, tendências que, como sabemos, com o tempo devem ir se subordinando à crescente consciência de Alma, mais relacionada com o regente esotérico do signo ascendente.

  • O regente esotérico do raio da Alma e o regente exotérico do raio da Personalidade. Estes dois planetas, sobretudo o primeiro, na verdade são os dois mais importantes*, o problema é que muitos de nós ainda não temos um verdadeiro conhecimento de tais planetas, porque somente com o horóscopo na mão não é suficiente para sabê-lo, é necessário o tempo e uma constante e honesta reflexão sobre as diferentes possibilidades que cremos possuir. Portanto, e devido às muito razoáveis dúvidas existentes, é melhor centrar nossa maior atenção nos 4 primeiros pontos, até alcançarmos, com o tempo, uma maior autoconfirmação sobre as qualidades destes dois planetas tão condicionantes.




Atender a Alma é mirar o “Espírito no Céu” com atenção serena e a “Personalidade na Terra” com compreensão ativa. A primeira mirada nos traz a intuição ou caminho a seguir, a segunda nos traz a cura ou serviço prático.





* Há bastantes artigos neste blog que fazem referência aos 7 raios e os correspondentes 7 planetas sagrados regentes. 


. . . . .
David C.M. 

sábado, 18 de julho de 2015

A Luna para a Astrologia Esotérica






A Lua para a astrologia da Alma


Introdução
Neste artigo vamos refletir sobre o significado que a Lua tem para a astrologia esotérica junto com suas diferentes possibilidades segundo seja o tipo de consciência dirigente que se esconde por trás da força lunar.



As três gunas versus o ascendente, o sol e a lua.
Como bem sabemos, através das explicações que nos dá Krishna no Bhagavad Gita, as Três Gunas são os três tipos de qualidades naturais fundamentais de que é composto o universo manifestado.

Estas três forças entrelaçadas (uma não pode viver sem as outras duas) estão presentes em maior ou menor grau em todo tipo consciência manifestada.



A característica principal de cada guna é:

Guna Sattva: é a qualidade geradora de harmonia, vinculada com a bondade, a construtividade, a beleza, a amizade, cordialidade, calma, sacrifício ou renúncia, solidariedade, a união, compreensão, o altruísmo, desapego, síntese, amor.

Sattva está relacionada com as nobres tendências mais próximas da Alma; e portanto em um horóscopo, (tal e como entendemos a partir da astrologia esotérica),  podemos relacioná-la com a qualidade do Signo Ascendente e seu regente Esotérico.



Guna Rajas: é a qualidade produtora de atividade, vinculada com a paixão, os desejos, as dúvidas, o entusiasmo, o arrebato, as preferências, o sofrimento, ciúmes, frenesi, a agressividade, fortaleza, posse, domínio, generosidade interessada, apego.

Rajas está relacionada com os desejos centralizados (egoístas) da Personalidade e seu poder motivador-ativo; e portanto em um horóscopo podemos relacioná-la com a força do Signo Solar e seu regente Exotérico.



Guna Tamas: é a qualidade geradora de passividade vinculada com a inércia da escura matéria densa, é a ignorância que gera a indolência, apatia, negligência, desinteresse, abandono, reflexo ou engano, escrúpulos ou manias, desconfiança, inconsciência, debilidade, torpeza, comodidade, capricho, imobilidade.

Tamas esta relacionada com as heranças do passado, as limitações ou desvantagens refletidas no “obstinado” corpo físico e, portanto, em um horóscopo podemos vinculá-la (tal e como entendemos a partir da astrologia esotérica), com a Lua e sua posição por casas, (não tanto por signo), e aspectos com os nodos lunares e planetas.







Psicologia da Lua


Do ponto de vista da astrologia esotérica, entendemos que a forma lunar é a força mais arraigada à densa matéria-Mãe.

Portanto, para nós, “a velha dama”, no horóscopo de um nativo é a regente de seu mundo físico. Forma física que concentra todo o “instrumental” (mescla de corpo-emoção-mente inferior) herdado do passado.

Ella, nas próprias palavras de Alice Bailey-DK, reencarna o aspecto tamásico da matéria ou o que “retém e – se a sua indevida influência for permitida – produzirá inércia”

Por definição a inércia “é a resistência que opõe a matéria a modificar seu estado”, ou “o poder de um corpo de permanecer em seu próprio estado”. Vale dizer, psicologicamente falando, a lua é aquela consciência básica que, se não for ativada por uma consciência superior, tende a ser passiva (inclusive regressiva) e sem possibilidades de mudança.

A Lua ou tríade lunar é, pois, a forma mental mais básica e cristalizada (muito pouco flexível) e criadora, por sua vez, das singulares tendências emocionais e reflexos físicos que aparecem na “raiz” de uma idade muito tenra.

A Lua é o reflexo inconsciente ou a primeira impressão reativa inerente na forma física, daí a necessidade de que a consciência, que reside dentro deste corpo lunar, se erga como a regente destas tendências lunares inconscientes, já que se não for assim, corre-se o perigo de “cair” nas inércias, (desvantagens, limitações e obstáculos de um passado já caduco), próprias do instintivo e primitivo mundo físico.

Em ordem descendente (“do céu à terra”) podemos dizer que a lua não é a inteligente e amorosa energia construtora de equilíbrio e beleza, isto pertence à alma, também não é a poderosa força ativa da paixão, algo que pertence aos desejos da personalidade, mas que o corpo lunar é, antes, aquele último escalão, muito próximo à Mãe-Matéria, aquela síntese física que permite aos dois primeiros (alma-personalidade) adquirir experiência através do mundo material.

Do aspecto mais impessoal não é importante que a Lua se mostre mais ou menos positiva em um horóscopo, o importante é que a consciência superior entenda e aceite que a inteligência inferior ou instintiva da Lua, seja qual for a sua posição no horóscopo, é o único meio do que dispõe para se manifestar e experimentar no mundo das formas materiais.

Como sabemos, o maior sempre inclui o menor e, neste sentido, a inteligência (menor) da matéria simbolizada na Lua, sempre deve estar regida ou pela inteligência maior da personalidade ou, se cabe por direito evolutivo, pela inteligência suprema da Alma.

Diz-se que “a lua é a prisão da alma”, no sentido de que ela é o símbolo daquele “escuro lugar” ou recipiente material no qual a alma reencarnou e com o qual é obrigada a “pelear” se quiser avançar no caminho da purificação através da matéria.

A Lua, a mãe de todas as formas, é o corpo físico ou forma através do qual a divina vontade pode ser manifestada.








A Lua e sua consciência regente

Quando em uma consciência a qualidade de Rajas domina sobre a Sáttvica, é claro que os poderes lunares ou Tamásicos estarão dirigidos por Raja ou o poder do desejo ativo. Sobre este tipo de consciência com um poder tão centralizado ou pessoal não vamos fazer referência neste último parágrafo, vamos nos centrar apenas no tipo de consciência em que a qualidade Sáttvica ou o poder de exercer a harmonia é a dominante “promessa” para o avanço espiritual.

Para a astrologia esotérica, a essência lunar é regida fundamentalmente pela qualidade do IV Raio de Harmonia através do Conflito, já que são as forças lunares que promovem o conflito que derivará, se for bem solucionado, em uma maior harmonia.

Alice Bailey em seu esplêndido livro Astrologia Esotérica, concretamente no final do capítulo de Escorpião, nos diz:


A Lua ajuda a criar as condições que levam à grandiosa transformação crítica do instinto em intelecto.
                                                                                    Alice Bailey - DK em A.E.

Nesta pequena frase podemos entrever que as tendências lunares são a oportunidade para que a consciência superior possa demonstrar seu poder para reger, transformar, dirigir, inibir, compreender, aceitar, reajustar, raciocinar ou integrar suas tendências mais básicas através da luz do conhecimento. É claro que no “caminho que nos conduz ao céu” este é um passo muito necessário, porque sem a paz dos mundos inferiores, (paz alcançada através da luz da razão intelectual), não é possível ter acesso aos mundos superiores através da luz da intuição. Como já dissemos mais de uma vez, não é possível o segundo escalão sem passar pelo primeiro.







A Lua velando Vulcano, Netuno ou Urano

Como dissemos no último parágrafo, são as condições (criadas pela Lua) as causadoras de evocar na consciência a necessidade de transformar para melhorar. Neste sentido, e desde a astrologia da Alma, em um horóscopo distinguimos três tipos de Lua segundo seja na consciência a necessidade dominante:

  • 1. Lua ou condições lunares que evocam na Consciência a necessidade de construir um corpo purificado como o fiel reflexo de um nobre caráter.

Quando isso acontece, a astrologia esotérica considera que a Lua esta velando Vulcano. Quer dizer, as condições criadas pela lua advertem sobre a oportunidade para que a consciência que deve reger tais condições se polarize ou tenha a necessidade de reconhecer o poder de Vulcano, o “deus” forjador, aquele que trabalha com as forças internas do denso corpo físico com o propósito de moldar um caráter divino.

  • 2. Lua que evoca na Consciência a necessidade de alcançar a expressão do amor espiritual como reflexo da paz no coração.

Neste caso a Lua esta velando Netuno, as condições criadas evocam a necessidade de que a consciência se centre no significado que traz consigo “o deus das águas”. A necessidade de alcançar “o silêncio no coração” necessariamente passa por compreender (pacificar) o corpo psíquico ou emocional (plexo solar) de sensibilidade e expressão, e este processo pertence a Netuno, “a força do cavalo”, ou “o barco que sulca o mar” em busca de seu Ideal: o amor incluente do coração.

  • 3. Lua ou condição lunar que evoca na Consciência a necessidade de aquietar a mente com a intenção de “captar” a vontade espiritual.

Quando este terceiro acontece, a astrologia esotérica considera que a Lua está velando (sendo regida) por Urano, “a mente cósmica”. Desativar o excesso de mente própria necessariamente passa por ser sensível às ideias divinas. A mente só pode perceber os mundos superiores quando silenciou seu próprio ego. Este é o poder de Urano, “o deus do céu”: a intuição ou razão divina capaz de materializar nos corpos lunares à sua disposição o propósito espiritual.

Até o final desta terceira etapa, onde logicamente o estado evolutivo é muito avançado, as inércias tamásicas ou lunares já estarão sob o poder diretor da consciência da Alma. Nesta etapa a Lua terá se convertido na ferramenta perfeita para o serviço, o recipiente material ou forma lunar será tão transparente que só poderá refletir a luz da Alma. O Vaso Dourado é o reflexo perfeito do Sol.

Nesta etapa se ascendeu a outro escalão, no qual a luz do intelecto cede lugar à luz da intuição. Graças à mente intuitiva, o cérebro ou corpo físico, é o fiel reflexo do propósito da alma.







Os 4 signos do zodíaco onde a Lua exerce seu poder

A lua, a mãe de todas as formas tem sua exaltação em Touro, o signo onde a mãe natureza exibe a plenitude de suas exuberantes e sensuais formas.

A mãe de todas as formas tem sua regência exotérica em Câncer, o signo da reencarnação, a sensível porta através da qual as formas vêm à manifestação. O apego às formas vinculadas com as heranças, tradições ou costumes do passado são a chave da Lua em Câncer.

A mãe de todas as formas tem sua regência esotérica em Virgem, o signo que ao reconhecer, cuidar e alimentar o germe de consciência divina que reside no interior de toda forma está construindo o que será uma forma superior. O calor da terra protege a semente. A Virgem Mãe protege o Filho.

A mãe de todas as formas tem sua regência hierárquica em Aquário, o signo onde as formas purificadas expressam o serviço altruísta. Aquário é a expressão objetiva do trabalho subjetivo feito por Virgo.







A Lua

A branca luz da noite, Isis, a velha dama, a mãe de todas as formas, o rincão da infância, a grande tradição, o reflexo do sol, a primeira impressão, a deusa da natureza, a inteligência do instinto, a luz da matéria, o calor que acolhe a semente, o corpo Virgem, o útero, o canal para a água de vida…..

                            ...... a Lua: aqueles tempos longínquos que no presente se sintetizam no Vaso, o lugar que acolhe a Consciência que quer experimentar o SER.





 David C.M. (logos.astrologiaesoterica@gmail.com)

terça-feira, 19 de maio de 2015

O Signo Solar para a Astrologia Esotérica







O SIGNIFICADO DO SIGNO SOLAR PARA ASTROLOGIA ESOTÉRICA


Introdução
Neste artigo a nossa intenção é refletir, de uma perspectiva mais para psicológica, o significado que o signo solar tem para a astrologia esotérica.

Para isso dividiremos a reflexão em cinco partes.

  • 1. O Sol como fonte de Luz em seu próprio sistema.
  • 2. O papel do signo solar em um horóscopo ou consciência humana.
  • 3. O papel que o signo Solar deve ter frente ao signo Ascendente.*
  • 4. Vários exemplos para um estudo comparativo entre signos.
  • 5. Conclusão (“os dois em um”)





  • 1.a A importância do Sol por si mesmo como fonte de Luz
O Sol em “si mesmo” é Luz, uma entidade que, de “si mesma”, emite a energia que gera e regenera seu próprio sistema (solar) ou “corpo”.

Um “corpo” ou sistema solar de geométrico funcionar, atitude que gera um campo de influência de grande beleza, um lugar que, ao calor de sua própria e constante energia lumínica, oferece as condições idôneas para que se estabeleçam e evoluam múltiplos reinos ou formas de vida.

Este seria o aspecto mais físico ou visível do poder solar, mas não há de esquecer que, por trás do aspecto material (personalidade) de toda entidade, neste caso solar, está sempre amalgamada uma parte subjetiva (alma) com propósito (espírito). Uma parte, velada para a vista física, que utiliza a Vitalidade ou inteligência de sua própria matéria, mais ou menos aperfeiçoada ou evoluída, para aumentar (e transmitir) nela e a partir dela mesma e a todas as formas de vida que nela residem o calor de seu Amor e o poder de seu Espírito.

Podemos então dizer que o sol é uma entidade (de grande calibre) que de sua própria autoconsciência (luz) entesoura grandes doses de Vitalidade, Amor e Espírito; e que toda forma de vida que esteja sob as leis deste sistema solar, deverá também, de uma forma ou de outra e em maior ou menor medida, experimentar e expressar as três qualidades básicas que seu logos principal entesoura em si mesmo.



  • 1.b O próprio Sol e os 12 Signos
Como é lógico pensar, toda entidade deve evoluir através do todo maior, e neste sentido o Sol, tal como a Terra ou o ser humano que nela habita, em seu périplo vital também faz seu percorrido através dos 12 signos do zodíaco. 12 energias que lhe oferecem, através de suas qualidades, a oportunidade de poder perceber e adquirir maior experiência e com isso maior autoconsciência ou aperfeiçoamento de suas 3 qualidades básicas acima mencionadas.

Como sabemos, atualmente o Sol transita pelo Signo de Aquário e, portanto, e sem intenção de aprofundar, as características deste signo são, e serão durante 2000 anos mais, a grande oportunidade para que o Sol possa evoluir. Oportunidade que, necessariamente, se verá refletida em todos os reinos e formas de vida que estão sob as leis de referido Sol.






  • 2. O papel do signo solar em um horóscopo ou consciência humana
Portanto, e partindo do profundo significado da frase “como é em cima é embaixo”, o lugar (signo) que ocupa o sol no horóscopo de um ser humano no dia de seu nascimento sempre será o signo da oportunidade, através do qual este ser humano poderá perceber e experimentar suas 3 energias básicas inatas: vitalidade, amor e poder espiritual.

Graças ao poder de iluminar (Consciência) que oferece a presença do sol em uma carta natal, o signo onde ele se situa (e, em menor medida, seu signo oposto), marcará as tendências principais do dono da carta, as características mais visíveis ou pessoais, sua determinação e temperamento, sua vida presente e problema atual, seus dons herdados, peculiaridades..., em definitivo, o signo solar marcará a natureza das forças e a qualidade das energias com as que a consciência ou alma que reencarna em determinada vida deverá conviver e manipular.

Fundamentalmente, o signo solar mostra a linha de menor resistência, o que já foi adquirido (em outras vidas) e, portanto, o mais fácil de expressar ou atuar na presente.

Neste sentido, todos sabemos que aquilo que nos é dado com facilidade pode ser utilizado de forma excessiva ou egoísta. Isto é, as características do signo solar são susceptíveis de estar propensas a gerar atitudes demasiado ativas ou agressivas, atitudes compensatórias, repetitivas por paixão ou por senso de poder, “cegas” ou excessivamente cômodas, pouco altruístas, “simplistas”, orgulhosas, desconsideradas ou desrespeitosas com o entorno, pouco generosas..., tudo isso dependerá muito muito do tipo de consciência que administra tais características e da maior ou menor necessidade desta consciência de atender às demandas mais espirituais escritas em seu signo ascendente.

É interessante observar que para a astrologia védica ou jyotish (cultura não tão individualista como a ocidental), o sol por si mesmo não é considerado como um planeta “benigno”, mas como uma fonte de problemas por sua egolatria, por sua capacidade de “queimar” ou não ter em consideração com seus companheiros (planetas) mais próximos. O astrólogo oriental não se esquece de que o sol, por si mesmo, é um calor excessivo, capaz de matar a planta.

Em certa medida, nós (da astrologia esotérica ou da alma), reafirmamos esta posição, afirmando que (como diz a astrologia exotérica), o poder solar é o que marca as características principais de um indivíduo; mas que estas evidentes qualidades, tão valorizadas em nossa cultura ocidental por sua capacidade ativa e representadas em um horóscopo através das forças do signo solar, não são suficientes para evoluir corretamente, mas que só são simplesmente, e observem que dizemos só, a base para, com a valiosa inspiração do signo ascendente, experimentar e expressar novas metas ou maiores estados de consciência.

Dizendo de outra forma, para a astrologia da alma, o poder do signo solar deixa de “queimar” quando é olhado (refletido-utilizado) através da lente que implica o significado do signo ascendente.






  • 3. O papel que o signo Solar deve ter frente ao signo Ascendente
Assim como o poder do signo solar nos marca as forças e energias mais pessoais que a consciência ou alma está tentando utilizar ou manipular em determinada vida, o poder do signo ascendente nos marca a força desta alma em si mesma, que está procurando se expressar através destas características mais solares ou pessoais.

Talvez entendamos melhor este último parágrafo se comparamos e analisamos estas duas definições que nos oferece Alice Bailey - DK em seu magnífico livro Astrologia Esotérica.

  • O signo do Sol. - Indica o problema atual do homem; fixa o passo ou ritmo estabelecido de sua vida pessoal; relaciona-se com a qualidade, temperamento e tendências da vida, que procuram se expressar durante esta particular encarnação e sugere o aspecto rajásico ou atividade do homem não nascido. Fundamentalmente, as forças deste signo indicam a linha de menor resistência.

  • O ascendente ou signo nascente. - Indica a vida futura e o propósito imediato da alma para esta encarnação. Mantém o segredo do futuro e apresenta a força que, corretamente empregada, conduzirá o homem ao êxito. Representa o aspecto sáttvico ou harmônico da vida, e pode produzir corretas relações entre a alma e a personalidade em uma dada encarnação, assinalando assim o caminho para reconhecer a força da alma.

É claro que, na raiz das duas definições, espiritualmente falando, o signo ascendente frente ao signo solar ocupa um papel mais proeminente. Um papel que, frente aos poderes mais objetivos do signo solar, se evidencia como um “futuro” mais difícil de alcançar, e por isso mesmo mais subjetivo (menos evidente), prometedor e capaz de aportar harmonia. Um papel capaz de relacionar a Alma com a Personalidade, assinalando assim, (como nos diz o texto), o caminho para reconhecer a força da Alma.





  • 4. Quatro exemplos para o estudo entre o signo solar e o signo ascendente
Antes de finalizar este artigo, vamos estudar de forma comparativa para compreender melhor o que foi dito acima, quatro exemplos de combinações de signos ascendentes versus signos solares.

O estudo pretende ser simples, e sem uma análise excessiva, já que o reconhecimento do papel que determinado signo ascendente possa ter em relação com um signo solar depende muito muito do tipo de consciência e intuição que deve administrar referida combinação

O nível de consciência
Há que pensar que para que uma consciência ou alma tenha a necessidade de atender às forças marcadas por seu signo ascendente deve ser acima de tudo uma consciência com certo grau de evolução. Evidentemente, uma consciência com suas próprias tendências pessoais, mas também com fortes tendências espirituais, tendências estas últimas que, através do tempo e da experiência, devem se impor ou não se harmonizar com as primeiras.

As tendências ou características de uma consciência espiritual
Psicologicamente falando, estas tendências espirituais se reconhecem na capacidade da consciência de praticar a aceitação (tolerar a frustração), de praticar o altruísmo (serviço), de praticar a meditação (reflexão não condicionada), e de praticar a constante e sempre tão necessária inofensividade (mental, emocional e de palavra) para si mesmo, o irmão ou seu entorno.

Os 4 exemplos
Este pequeno estudo analisa os exemplos de 3 vertentes, a dos signos, a de seus respectivos regentes exotérico e esotéricos e a dos raios envolvidos, mas se observarmos, os três tipos de análise se assemelham muito entre si, dando a entender uma possibilidade de síntese (intuição) maior.

Os exemplos são expostos das duas possibilidades comparativas:
. . .

Ascendente Escorpião - Sol Leão

Aqui as forças solares ou pessoais são realmente muito carismáticas, orgulhosas e individualistas, já que este ascendente coloca o Sol em Leão em casa X, mas a magnética força escorpiana da Alma demanda um plus de maior realidade e compromisso. A implicação com a vida deve ser mais empática, intensa, lutadora, e emotiva. Não só vale estar motivado para “brilhar” (Ser), como também para morrer, morrer dos aspectos mais personalistas, morrer para assim renascer muito mais próximo e envolvido com a necessidade da alma que por sintonia também é a necessidade do irmão ou entorno.

Regentes
A capacidade de se envolver até o mais fundo de Marte deve dominar sobre o excesso da brilhante individualidade que este sol em Leão casa X tanto possui.

Raios envolvidos
Em Escorpião, o poder intuitivo e gerador de beleza do IV raio de Harmonia no Conflito motivado pelo ideal sensível que entesoura o VI raio de Devoção, neste exemplo, deve se impor sobre o poder mais excessivo (destrutivo) do 1Raio de Vontade e Poder que neste caso atrai Leão.

. . .

Ascendente Leão - Sol Escorpião

Neste exemplo, a forças solares do Escorpião podem demonstrar grande capacidade de gerar apego, dependência ou desenganos através do desejo e/ou falsa ilusão. Este ascendente situa a característica intensidade do sol em Escorpião em casa 4, a casa das emoções mais básicas ou da infância, situação que pode ser “emotivamente cegante” em sumo grau, mas a consciência de uma Alma influenciada pela força de Leão tem como característica principal o poder de adquirir autoconsciência, por muito difícil ou ofuscada que seja a situação. Neste caso, o Leão, a partir da sua própria luz, desenreda e, portanto, se libera dos “enganches” psíquicos tão característicos do Escorpião. O fogo mental consciente, demanda aqui maior capacidade de ser si mesmo, dando assim uma nova clareza e utilidade às poderosas sensibilidades e emoções (Escorpião signo de água em casa 4) que o relacionam com seu entorno.

Regentes
Neste caso, a qualidade de adquirir autoconsciência leonina, através do sol como regente esotérico do ascendente velando* Netuno, deve iluminar (dirigir) o excesso (todo excesso é egoísmo) passional ou emotivo de Marte, o regente exotérico de Escorpião.

Raios
O poder ou vontade do 1Raio, junto com a sabedoria amorosa do 2Raio, que aporta o signo de Leão da consciência da Alma, devem aqui dirigir ou dar um novo sentido às forças mais pessoais de Escorpião que atraem a um 4Raio excessivamente passional, caprichoso e dependente das fortes emoções do 6Raio também presente.
. . .

Ascendente Gêmeos - Sol Libra

Nesta combinação, a linha de menor resistência é libriana, o Sol neste signo não brilha especialmente, mas é muito inteligente, educado, com senso de humor e o equilíbrio, harmônico e sensível à beleza, mas também, e de seu aspecto mais personalista, pode ser frio, distante, hipócrita, centrado apenas nas formas externas, excessivamente mental, pouco decidido ou empático e, por estar neste caso em casa V, também excessivamente individualista. Gêmeos, desde o Ascendente ou força da Alma, promete ar novo, uma fluidez muita maior nas inter-relações (internas e externas). A consciência aqui deve reconhecer as dinâmicas vitais que possam arrastar Libra a descobrir atitudes muito mas próximas, espontâneas e simples. Gêmeos neste caso pode oferecer um novo equilíbrio, mais dinâmico e amoroso. Uma atitude que demonstra que é graças ao Amor (flexibilidade) e não ao poder da mente que a consciência pode interatuar em si mesma a dualidade, mostrando com isso serviço ativo, criatividade, compreensão ou mente amorosa.

Regentes e Raios
Neste exemplo, Vênus, (V raio de Luz ou Ciência Concreta), como regente esotérico de Gêmeos, é um Vênus tocado pelo Amor-Sabedoria do II raio que atrai o mesmo signo. Uma consciência pessoal libriana pode ser excessivamente distante ou interessada, já que à capacidade de análise (neste caso separatista) do V raio que aporta seu Vênus como regente exotérico, há que agregar a frieza de uma ordem excessivamente dependente das formas externas ou o estético que aporta o VII Raio através de uma Libra egoísta. Há um excesso de raios ímpares (mentais), daí a benignidade (coração) ou oportunidade do II raio que oferece Gêmeos. O controle que exerce a mente é quebrado pelo poder do Amor.

. . .

Ascendente Libra – Sol Gêmeos

Um Sol em Gêmeos, de uma atitude pessoal egoísta, oferece um excesso de interações internas e externas, interações duais superficiais, gratuitas, mal integradas ou simplesmente não integradas e, portanto, geradoras de desequilíbrio, de sem sentido, banalidade ou infantilismo. Neste caso, o sol em casa 9, do aspecto egoísta, dá demasiadas e pomposas viagens. Assim, a consciência deve reconhecer a força da Alma no equilíbrio divino que oferece Libra. A calma mental como passo prévio para intuir como utilizar a simpática vitalidade amorosa geminiana de forma mais dirigida, responsável e eficiente. A eficiência, especialmente neste caso, se expressará com grande beleza.

Regentes
Se a consciência sabe reconhecer o poder mental organizador de Urano, regente esotérico de Libra, poderá, nela mesma primeiro e depois em seu entorno, organizar um novo espaço. Um novo ritmo vital onde Mercúrio como regente exotérico de Gêmeos poderá seguir sendo “simpaticamente” interativo, mas desta vez expressando o propósito o Alma.

Raios
Neste último exemplo, o II Raio de Amor e Conhecimento junto ao IV de Beleza através do Conflito, atraídos por Gêmeos e Mercúrio respectivamente, necessitam muito muito, devido a um excesso de vitalidade caprichosa, do duplo poder organizador que o VII raio de Magia e Cerimonial aportam de Libra e Urano, seu regente esotérico. Se a consciência deste exemplo consegue integrar, em seu dia a dia, a ordem e a disciplina característicos do VII Raio, a expressão de suas qualidades amorosas (II Raio) e criativas (IV Raio) mais pessoais terão, no mundo físico ou social, grande êxito. Aqui especialmente a utilidade espiritual (eficiência) é sinônimo de expressão mágica ou beleza.





  • 5. Conclusão (“os dois em um”)
É nosso desejo dar a entender que as forças do signo solar em si mesmas não são “más”, são as energias, objetivamente falando, mais presentes e próximas e, portanto, são as energias que a consciência pode utilizar mais facilmente para seu próprio beneficio ou amor próprio.

Quando referida consciência por necessidade evolutiva, e através do significado de seu signo ascendente, for paulatinamente integrando a força de sua Alma, então poderá começar a utilizar suas forças solares para o beneficio comum ou amor abrangente.

O reajuste na consciência das nossas atitudes e dons mais pessoais, astrologicamente refletidos no signo solar, sempre nos vêm dado pela aceitação e responsabilidade (dharma) que gera o reconhecimento de um “todo maior”. A compreensão de um significado maior que astrologicamente falando está refletido em o signo ascendente.






* Para maior compreensão do significado que o signo Ascendente tem para a astrologia esotérica, consulte o artigo anterior a este.



* Desde a astrologia esotérica e dependendo do nível evolutivo da consciência dona do horóscopo, o Sol de uma casa natal pode estar velando as energias e significados de Netuno ou de Urano, que seja um planeta ou outro o velado pelo sol dependerá da necessidade evolutiva de referida consciência. Isto é um tema em que nos aprofundaremos em um artigo posterior, aqui basta dizer que em um horóscopo Netuno, através do sol, sintetiza o aspecto amor e Urano o aspecto espírito, e que o sol em seu aspecto mais físico (através das tendências marcadas por Saturno) sintetiza a vitalidade.

. . .
David C.M. (logos.astrologiaesoterica@gmail.com)