sábado, 18 de julho de 2015

A Luna para a Astrologia Esotérica






A Lua para a astrologia da Alma


Introdução
Neste artigo vamos refletir sobre o significado que a Lua tem para a astrologia esotérica junto com suas diferentes possibilidades segundo seja o tipo de consciência dirigente que se esconde por trás da força lunar.



As três gunas versus o ascendente, o sol e a lua.
Como bem sabemos, através das explicações que nos dá Krishna no Bhagavad Gita, as Três Gunas são os três tipos de qualidades naturais fundamentais de que é composto o universo manifestado.

Estas três forças entrelaçadas (uma não pode viver sem as outras duas) estão presentes em maior ou menor grau em todo tipo consciência manifestada.



A característica principal de cada guna é:

Guna Sattva: é a qualidade geradora de harmonia, vinculada com a bondade, a construtividade, a beleza, a amizade, cordialidade, calma, sacrifício ou renúncia, solidariedade, a união, compreensão, o altruísmo, desapego, síntese, amor.

Sattva está relacionada com as nobres tendências mais próximas da Alma; e portanto em um horóscopo, (tal e como entendemos a partir da astrologia esotérica),  podemos relacioná-la com a qualidade do Signo Ascendente e seu regente Esotérico.



Guna Rajas: é a qualidade produtora de atividade, vinculada com a paixão, os desejos, as dúvidas, o entusiasmo, o arrebato, as preferências, o sofrimento, ciúmes, frenesi, a agressividade, fortaleza, posse, domínio, generosidade interessada, apego.

Rajas está relacionada com os desejos centralizados (egoístas) da Personalidade e seu poder motivador-ativo; e portanto em um horóscopo podemos relacioná-la com a força do Signo Solar e seu regente Exotérico.



Guna Tamas: é a qualidade geradora de passividade vinculada com a inércia da escura matéria densa, é a ignorância que gera a indolência, apatia, negligência, desinteresse, abandono, reflexo ou engano, escrúpulos ou manias, desconfiança, inconsciência, debilidade, torpeza, comodidade, capricho, imobilidade.

Tamas esta relacionada com as heranças do passado, as limitações ou desvantagens refletidas no “obstinado” corpo físico e, portanto, em um horóscopo podemos vinculá-la (tal e como entendemos a partir da astrologia esotérica), com a Lua e sua posição por casas, (não tanto por signo), e aspectos com os nodos lunares e planetas.







Psicologia da Lua


Do ponto de vista da astrologia esotérica, entendemos que a forma lunar é a força mais arraigada à densa matéria-Mãe.

Portanto, para nós, “a velha dama”, no horóscopo de um nativo é a regente de seu mundo físico. Forma física que concentra todo o “instrumental” (mescla de corpo-emoção-mente inferior) herdado do passado.

Ella, nas próprias palavras de Alice Bailey-DK, reencarna o aspecto tamásico da matéria ou o que “retém e – se a sua indevida influência for permitida – produzirá inércia”

Por definição a inércia “é a resistência que opõe a matéria a modificar seu estado”, ou “o poder de um corpo de permanecer em seu próprio estado”. Vale dizer, psicologicamente falando, a lua é aquela consciência básica que, se não for ativada por uma consciência superior, tende a ser passiva (inclusive regressiva) e sem possibilidades de mudança.

A Lua ou tríade lunar é, pois, a forma mental mais básica e cristalizada (muito pouco flexível) e criadora, por sua vez, das singulares tendências emocionais e reflexos físicos que aparecem na “raiz” de uma idade muito tenra.

A Lua é o reflexo inconsciente ou a primeira impressão reativa inerente na forma física, daí a necessidade de que a consciência, que reside dentro deste corpo lunar, se erga como a regente destas tendências lunares inconscientes, já que se não for assim, corre-se o perigo de “cair” nas inércias, (desvantagens, limitações e obstáculos de um passado já caduco), próprias do instintivo e primitivo mundo físico.

Em ordem descendente (“do céu à terra”) podemos dizer que a lua não é a inteligente e amorosa energia construtora de equilíbrio e beleza, isto pertence à alma, também não é a poderosa força ativa da paixão, algo que pertence aos desejos da personalidade, mas que o corpo lunar é, antes, aquele último escalão, muito próximo à Mãe-Matéria, aquela síntese física que permite aos dois primeiros (alma-personalidade) adquirir experiência através do mundo material.

Do aspecto mais impessoal não é importante que a Lua se mostre mais ou menos positiva em um horóscopo, o importante é que a consciência superior entenda e aceite que a inteligência inferior ou instintiva da Lua, seja qual for a sua posição no horóscopo, é o único meio do que dispõe para se manifestar e experimentar no mundo das formas materiais.

Como sabemos, o maior sempre inclui o menor e, neste sentido, a inteligência (menor) da matéria simbolizada na Lua, sempre deve estar regida ou pela inteligência maior da personalidade ou, se cabe por direito evolutivo, pela inteligência suprema da Alma.

Diz-se que “a lua é a prisão da alma”, no sentido de que ela é o símbolo daquele “escuro lugar” ou recipiente material no qual a alma reencarnou e com o qual é obrigada a “pelear” se quiser avançar no caminho da purificação através da matéria.

A Lua, a mãe de todas as formas, é o corpo físico ou forma através do qual a divina vontade pode ser manifestada.








A Lua e sua consciência regente

Quando em uma consciência a qualidade de Rajas domina sobre a Sáttvica, é claro que os poderes lunares ou Tamásicos estarão dirigidos por Raja ou o poder do desejo ativo. Sobre este tipo de consciência com um poder tão centralizado ou pessoal não vamos fazer referência neste último parágrafo, vamos nos centrar apenas no tipo de consciência em que a qualidade Sáttvica ou o poder de exercer a harmonia é a dominante “promessa” para o avanço espiritual.

Para a astrologia esotérica, a essência lunar é regida fundamentalmente pela qualidade do IV Raio de Harmonia através do Conflito, já que são as forças lunares que promovem o conflito que derivará, se for bem solucionado, em uma maior harmonia.

Alice Bailey em seu esplêndido livro Astrologia Esotérica, concretamente no final do capítulo de Escorpião, nos diz:


A Lua ajuda a criar as condições que levam à grandiosa transformação crítica do instinto em intelecto.
                                                                                    Alice Bailey - DK em A.E.

Nesta pequena frase podemos entrever que as tendências lunares são a oportunidade para que a consciência superior possa demonstrar seu poder para reger, transformar, dirigir, inibir, compreender, aceitar, reajustar, raciocinar ou integrar suas tendências mais básicas através da luz do conhecimento. É claro que no “caminho que nos conduz ao céu” este é um passo muito necessário, porque sem a paz dos mundos inferiores, (paz alcançada através da luz da razão intelectual), não é possível ter acesso aos mundos superiores através da luz da intuição. Como já dissemos mais de uma vez, não é possível o segundo escalão sem passar pelo primeiro.







A Lua velando Vulcano, Netuno ou Urano

Como dissemos no último parágrafo, são as condições (criadas pela Lua) as causadoras de evocar na consciência a necessidade de transformar para melhorar. Neste sentido, e desde a astrologia da Alma, em um horóscopo distinguimos três tipos de Lua segundo seja na consciência a necessidade dominante:

  • 1. Lua ou condições lunares que evocam na Consciência a necessidade de construir um corpo purificado como o fiel reflexo de um nobre caráter.

Quando isso acontece, a astrologia esotérica considera que a Lua esta velando Vulcano. Quer dizer, as condições criadas pela lua advertem sobre a oportunidade para que a consciência que deve reger tais condições se polarize ou tenha a necessidade de reconhecer o poder de Vulcano, o “deus” forjador, aquele que trabalha com as forças internas do denso corpo físico com o propósito de moldar um caráter divino.

  • 2. Lua que evoca na Consciência a necessidade de alcançar a expressão do amor espiritual como reflexo da paz no coração.

Neste caso a Lua esta velando Netuno, as condições criadas evocam a necessidade de que a consciência se centre no significado que traz consigo “o deus das águas”. A necessidade de alcançar “o silêncio no coração” necessariamente passa por compreender (pacificar) o corpo psíquico ou emocional (plexo solar) de sensibilidade e expressão, e este processo pertence a Netuno, “a força do cavalo”, ou “o barco que sulca o mar” em busca de seu Ideal: o amor incluente do coração.

  • 3. Lua ou condição lunar que evoca na Consciência a necessidade de aquietar a mente com a intenção de “captar” a vontade espiritual.

Quando este terceiro acontece, a astrologia esotérica considera que a Lua está velando (sendo regida) por Urano, “a mente cósmica”. Desativar o excesso de mente própria necessariamente passa por ser sensível às ideias divinas. A mente só pode perceber os mundos superiores quando silenciou seu próprio ego. Este é o poder de Urano, “o deus do céu”: a intuição ou razão divina capaz de materializar nos corpos lunares à sua disposição o propósito espiritual.

Até o final desta terceira etapa, onde logicamente o estado evolutivo é muito avançado, as inércias tamásicas ou lunares já estarão sob o poder diretor da consciência da Alma. Nesta etapa a Lua terá se convertido na ferramenta perfeita para o serviço, o recipiente material ou forma lunar será tão transparente que só poderá refletir a luz da Alma. O Vaso Dourado é o reflexo perfeito do Sol.

Nesta etapa se ascendeu a outro escalão, no qual a luz do intelecto cede lugar à luz da intuição. Graças à mente intuitiva, o cérebro ou corpo físico, é o fiel reflexo do propósito da alma.







Os 4 signos do zodíaco onde a Lua exerce seu poder

A lua, a mãe de todas as formas tem sua exaltação em Touro, o signo onde a mãe natureza exibe a plenitude de suas exuberantes e sensuais formas.

A mãe de todas as formas tem sua regência exotérica em Câncer, o signo da reencarnação, a sensível porta através da qual as formas vêm à manifestação. O apego às formas vinculadas com as heranças, tradições ou costumes do passado são a chave da Lua em Câncer.

A mãe de todas as formas tem sua regência esotérica em Virgem, o signo que ao reconhecer, cuidar e alimentar o germe de consciência divina que reside no interior de toda forma está construindo o que será uma forma superior. O calor da terra protege a semente. A Virgem Mãe protege o Filho.

A mãe de todas as formas tem sua regência hierárquica em Aquário, o signo onde as formas purificadas expressam o serviço altruísta. Aquário é a expressão objetiva do trabalho subjetivo feito por Virgo.







A Lua

A branca luz da noite, Isis, a velha dama, a mãe de todas as formas, o rincão da infância, a grande tradição, o reflexo do sol, a primeira impressão, a deusa da natureza, a inteligência do instinto, a luz da matéria, o calor que acolhe a semente, o corpo Virgem, o útero, o canal para a água de vida…..

                            ...... a Lua: aqueles tempos longínquos que no presente se sintetizam no Vaso, o lugar que acolhe a Consciência que quer experimentar o SER.





 David C.M. (logos.astrologiaesoterica@gmail.com)

2 comentários:

  1. Releio com frequência os artigos postados. São maravilhosos! São como luzes ao longo do caminho... Gratidão

    ResponderExcluir