quarta-feira, 31 de outubro de 2012

7 Raios 7 Planetas



                     
                         7 raios (qualidades) 7 planetas (sagrados).

Os 7 raios são as 7 energias básicas que vivificam e constroem através da matéria básica primordial (prakriti) todas as formas do universo, conduzidos e regidos pela “mente de Deus” ou propósito primordial.

Raio é o termo aplicado a uma força ou a um determinado tipo de energia que enfatiza a qualidade que exibe tal força, e não o aspecto forma que ela cria. Esta é a verdadeira definição de raio. (Alice Bailey - Psicologia Esotérica I, 250)

Portanto, quando falamos de raios, não falamos de formas expressas, mas das consciências ou qualidades que estas aparências contêm.

Este setenário energético está presente em todos os lugares do universo, e em relação ao nosso sistema solar, seus órgãos de expressão são os 7 planetas sagrados, que para a astrologia da Alma são: Vulcano (não descoberto), Júpiter, Saturno, Mercúrio, Vênus, Netuno, Urano.

Colocando de forma simples, nosso sistema solar tem 7 chacras  (planetas) que condicionam toda a sua qualidade expressiva. Este padrão tem reflexo em nosso microcosmo em suas 7 chacras (glândulas).

Aqui faremos uma reflexão sobre estas 7 energias em nós de um ponto de vista psicológico e tendo em conta a dualidade: mas evoluído - menos evoluído. A dualidade neste caso é uma ferramenta que nos serve para poder aprofundar nos conceitos através da comparação e o reconhecimento, não para estereotipar o ser humano, já que este é, por essência, muito mais que uma dualidade, é um todo que recebe, assimila, experimenta, compreende e evolui.

A consciência sempre é a regente deste processo, quanto maior consciência, maior capacidade de compreender e dirigir a qualidade do raio – planeta implicado e menor dependência do aspecto forma ou aparência.

Assim como pensa em teu coração, assim és tu.



VII Raio de Magia e Ritual – Urano
Não Evoluído: A desordem e a exagerada atividade vistas como algo original. Extravagância e perversão. O raio VII está muito conectado com a matéria e o poder das formas, (chacras sacro e raiz) daí sua capacidade para dominar o meio ambiente de forma egoísta, magia negra.
Evoluído: A ordem e a correta atividade produzem magia branca. Sua conexão com a realidade é total, não conhece o apego e pode manifestar vontade espiritual. Para a astrologia esotérica Urano é o Mago Branco e sua qualidade básica é a capacidade de manifestar o divino através da Matéria. Daí que na entrante Era de Aquário de VII raio se fale tanto da manifestação material do reino de Deus na terra.
Urano: As revoluções, originalidades, cerimônias, serviço social, grupos, magia, eletricidade, pedras preciosas, internet, ocultismo… aplicadas com dinâmica e efetividade. A luz da geometria, a irradiação do “brilhante”.


VI Raio de Devoção e Idealismo – Netuno (plexo solar)
Não Evoluído: Para um ser não evoluído Netuno se mostra através de um Marte egoísta: Suspeitas, violência, fanatismo, personalidade exagerada, o guerreiro Marte é um planeta não sagrado regido pelo VI Raio. Esta energia não evoluída confere supremacia ao aparente (espelhismo emocional).
Evoluído: aqui a qualidade do VI Raio (Netuno) aparece através da capacidade de ser amoroso, empático, ter personalidade generosa, ser pacífico, devocional e corretamente dirigido. Marte transmutado, o guerreiro interior, a coragem divina, sentimento místico.
Netuno: a flexível imaginação amorosa. O ideal do Coração de todos.


V Raio de Ciência concreta – Vênus
Não Evoluído: Um excesso de devoção à forma - matéria das coisas. Capacidade de analisar para separar, intenção de adquirir, possuir. A mente inferior destruidora do real, crítica, separatista. A consciência não evoluída utiliza a qualidade de pensar e analisar para obter atividade material.
Evoluído: Luz na mente, relação correta com nossa Alma através de uma mente sábia. O poder de avançar, de não cair em espelhismos nem ilusões infundadas. Atitude, frente às experiências da vida, cheia de sabedoria. Saber antes de falar e fazer. Na bíblia a qualidade positiva de Vênus se expressa na frase: “E Deus viu que era bom”.
Vênus: Relação das dualidades através do centro ajna, atitude harmônica, mente dirigida. O pensar do coração.


IV Raio de Harmonia no conflito – Mercúrio
Não Evoluído: confusão, constante luta, crise, instabilidade, “compreensão ou curiosidade exagerada” por “algo” que não é útil para a Alma, falta de equilíbrio.
Evoluído: Equilíbrio que evoca a intuição. Harmonia, unidade, expressão da beleza da Alma. Mercúrio esotericamente é a “grande curiosidade” capaz de unir as dualidades internas e assim conquistar maior harmonia entre o superior e o inferior.
Mercúrio: a capacidade de unir o “céu com o inferno”


III Raio de Inteligência prática – Saturno (chacra – garganta)
Todos os raios-planetas têm sua lei inquebrantável, mas talvez seja neste III raio-Saturno onde a Lei é mais exigente, já que esta energia tem uma relação direta com a qualidade mais desenvolvida na Matéria: Inteligência – Prática (reação naturalizada). Como diz o ditado: “uma macieira não pode dar peras, mas maçãs”.
Não Evoluído: manipular forças (pensamentos, emoções …) através do desejo ou do medo e com intenções egoístas. Atividade excessiva, anseios materiais, ilusão, maya.
Evoluído: Manipular forças para revelar a verdade e a beleza, atividade ordenada, correta ação, boa vontade. Serviço inteligente e prático.
Saturno: a oportunidade de servir à humanidade de forma real e eficiente. Evolução real graças à possibilidade de compreender a experiência “difícil” como uma oportunidade (Inteligência prática).


II Raio de Amor e Sabedoria – Júpiter (chacra coração)
Este é o raio matriz deste universo, daí a “grandeza de Júpiter”. O último propósito deste universo é expressar a plenitude do Amor. Todos os raios e formas de expressão estão matizados por este grande raio, já que todos vivem no mesmo universo. Por tanto, todos os 7 Raios têm o matiz de Amor.
Não Evoluído: Poder de construir para fins egoístas, realização destes fins. Capacidade de sentir, mas ao mesmo tempo de ser “frio”, distante. Fazer as “coisas” para que as pessoas gostem dele.
Evoluído: Capacidade de construir - ensinar através da compreensão e da palavra a favor do Plano – Humanidade. Sensibilidade ao todo, inclusividade. A iluminação. A correta linguagem graças à sabedoria adquirida. Amor dirigido.
Júpiter: a expansão do amor que compreende e inclui.


I Raio de Vontade e Poder – Vulcano - Velado pelo Sol. (chacra coronário).
Não Evoluído: Desejo centralizado, capacidade de dominar, controlar, destruir, de estar isolado, sem amor…. de fato nas personalidades egoístas este raio se expressa através de uma personalidade (Sol) excessiva e/ou com um Plutão controlador centralizado.
Evoluído: A palavra chave é Vida, o raio um (Sol-Vulcano) evoluído é um ser dinamicamente ativo, vital, com intenção de servir a humanidade, e capaz de compreender a qualidade amorosa da destruição e do poder. Destrói para poder dar liberdade ao amor construtor. Includente do próprio ser vital. Plutão (não sagrado): Este planeta está relacionado com o chacra raiz e sua capacidade de transmutar a matéria. Quer dizer, a kundalini é despertada quando chega o momento através da influência do centro coronário, sua intenção é destruir e purificar, e é despertada quando chega o momento graças à correta atitude mental.
Sol – Vulcano: A máxima energia a serviço do bem. Vontade para o bem: Vulcano.





Saber relacionar honestamente estes 7 raios-planetas com os nossos 7 chakras de expressão  de força e suas 3 distintas consciências diretoras, personalidade - alma - espiritu, é um dos primeiros passos que deve dar aquele que pretende seguir o aforismo grego: “conhece-te a ti mesmo”.

Não é difícil… a palavra-chave é “simplicidade”


David C.M.


terça-feira, 23 de outubro de 2012

Mapa natal de Jesus de Nazareth



Jesus o Homem

Olá, sou estudante de Astrologia e um fervente admirador do pensamento
de Alice Bailey – O Tibetano.

Escrevo-lhes este e-mail, para lhes dizer que não há muito, lendo a última
parte do livro de Urantia*, onde se relata de maneira amorosa e coerente a
vida de Jesus, descobri uma série de datas* sobre Sua vida, entre elas a 
do nascimento. Em seguida me fui ao computador e qual não foi a minha
surpresa ao descobrir esta sensacional carta que encaminho em anexo;
se os Reis Magos eram astrólogos, sabiam para onde se dirigiam!!

Era incrível, todos os planetas chamados antigos estavam em sua regência, 
menos Saturno que está “agarrado” por Júpiter, os três planetas chamados 
modernos exerciam um papel importantíssimo. A personalidade do Leão
(sol) iluminava um grande triângulo de água. A intensa devoção estava
escrita, (ascendente Escorpião, Marte conj. Netuno). A importância, 
peso, sensibilidade e tradicionalismo da Mãe, junto com a nutrição do 
equilíbrio da forma lunar como expressão das qualidades da Alma, também 
estavam presentes na excepcional Lua. Urano em IV, as raízes, 
revolucionava as antigas escrituras com sua didática imaginação.
A conjunção das duas maiores na cúspide da V, Piscis como símbolo da 
criatividade. Vênus desde a XI e sem contato claro com a figura de aspectos,
exercia “leif-motive”. A parte da Fortuna, conjunta a Espica a grande
benéfica. E por cima de tudo na casa X aparecia o símbolo da Esfinge,
a união da Virgem e o Leão, a Alma e a Matéria, a energia divina em
ascensão sendo o Leão a base e Plutão a mente, o desejo de CRISTO,
o Mestre, e Mercúrio exercendo de fio condutor, o grande fio de “prata”
que une Personalidade, Alma e Espírito.

GEOMÉTRICA, BALANCEADA, DINÂMICA.

Como diz várias vezes em Seus livros Djwal Khul, há que crer cada vez
mais na intuição; minha intuição me diz que é verdadeira e a dos senhores?

JESUS foi e é relação inofensiva ou positiva de um bonito passear, o andar
do rouxinol.

Um Abraço

Podeis leer dos articulos mas relacionados con este, en la version castellana del blog:
  • “Carta Natal de Jesús de Nazareth (REFLEXIONES I)”.   Publicado: 23-10-12
     http://logosastrologiaesoterica.blogspot.com.es/2012/10/carta-natal-jesus-de-nazareth.html
  • “Carta Natal de Jesús de Nazareth (REFLEXIONES II)”.  Publicado: 04-02-13
     http://logosastrologiaesoterica.blogspot.com.es/2013/02/carta-natal-de-jesus-de-nazareth-ii.html



*o Livro de Urantia é um livro canalizado nos anos 30 nos 
Estados Unidos, encontra-se na internet traduzido em vários idiomas.
Na última parte há uma esplêndida biografia de Jesus, onde o máximo 
interesse está em ressaltar o Jesus humano, alegre, sensível, dinâmico
e amigo e não o Homem na cruz.

*as datas do livro são 21 de agosto de -7 ao meio-dia (não tem em conta
como é lógico o ano zero), para o programa Solar Fire: 21aug 0007BC
12:pm, no calendário Gregoriano e através do programa que oferece 
Astrodienst por internet: 19 de agosto - menos 6, Bethlehem.

*o livro também dá a data de Sua morte, os trânsitos são
surpreendentemente significativos.

*a carta sideral varia apenas três graus e meio para diante da tropical.








David C.M.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

7 Libra











Libra: a busca do equilíbrio

O mantra espiritual de Libra é: “Eu escolho o caminho que conduz entre as duas grandes linhas de força.”
Essas “duas grandes linhas de força” são aquilo que chamamos de espírito e matéria. Essa é a grande dualidade fundamental no universo. Espírito e matéria são forças complementares, e é a interação entre os dois que cria todas as coisas existentes. Em cada coisa, tanto espírito como matéria estão presentes, em variadas proporções. A perfeição consiste no equilíbrio entre essas duas forças, ou seja: as duas se relacionarão de maneira que cada uma desempenhe o seu devido papel, em harmonia com a outra.
O equilíbrio entre espírito e matéria é alcançado através do grande processo evolutivo que está acontecendo em nosso universo — um processo do qual somos parte. Esse processo envolve primeiro a experiência e o conhecimento da matéria, depois a experiência e o conhecimento do espírito, e finalmente o equilíbrio entre ambos. Numa analogia talvez excessivamente simples, é como se fossemos medir quanto é a metade de um objeto: para isso pegamos a ponta de uma fita métrica e encostamos numa extremidade do objeto, depois estendemos a fita até a outra extremidade do objeto, assim conhecemos o seu tamanho total e só então podemos encontrar o seu meio. Portanto, ir de um extremo ao outro faz parte do processo de conhecer o todo, para então poder equilibrar corretamente.
A consciência humana está focalizada principalmente no lado material das coisas e simplesmente desconhece o lado espiritual. Assim, mesmo que não perceba, o ser humano leva uma vida desequilibrada e parcial, uma vida na qual predomina a materialidade. O que para nós parece equilíbrio ainda não é o verdadeiro meio-termo, pois ignoramos muita coisa. Como vemos só uma parte, achamos que o equilíbrio está ali em seu meio. Se víssemos o todo, perceberíamos que o ponto médio ainda está distante.
A espiritualidade é um convite a descobrir o outro lado, para assim descobrir o todo. Uma parte já conhecemos: a material; está faltando conhecermos a outra. A espiritualidade é um convite ao equilíbrio, mas um equilíbrio cada vez mais abrangente e completo. A descoberta do outro lado é um processo gradual. Cada novo pedacinho que vemos e incluímos nos leva a reposicionar o que consideramos como o meio. Por isso, em nossa busca por equilíbrio, devemos estar atentos para não estagnarmos numa concepção fixa de como o equilíbrio é. O que consideramos como equilíbrio vai mudando à medida que a consciência se expande.
A grande dualidade universal de espírito e matéria reflete-se no plano emocional como o que é chamado de pares de opostos — prazer e dor, felicidade e sofrimento, afeto e raiva, atração e repulsão, etc. Esses pares de opostos apresentam a cada ser humano o primeiro campo de treinamento em equilíbrio. Normalmente, o ser humano vive ocupado com esses opostos emocionais, lutando com eles, distraído com eles, e não percebe a dualidade principal de espírito e matéria. Quando o indivíduo compreende que esses dois opostos emocionais são ambos parte da vida, quando pode aceitar ambos e ficar indiferente diante eles, então, tendo alcançado o equilíbrio emocional, torna-se possível confrontar a dualidade principal e avançar em direção a um equilíbrio maior.

Ricardo Georgini
ricardogeorgini@yahoo.com.br

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Os Raios da Humanidade







Os Raios da Humanidade

Os raios da personalidade (expressão) e da alma (consciência) que regem a humanidade são o 5 e o 4, respectivamente.

Certamente a humanidade se expressa (personalidade) através da qualidade do 5R, a raça humana analisa, separa, discrimina, julga, conhece, ilumina, sabe, utiliza… sua grande necessidade e senso comum é demonstrar de forma concreta, prática, racional e científica.

Mas a Alma ou consciência profunda do reino humano é um 4R: a luta por harmonizar o inferior com o superior, o intenso conflito criador, compreender que tanto o guerreiro como seu conflito e ideal são o mesmo. É nesta luta em que o ser humano dá o melhor de si próprio, e são expressões deste maravilhoso esforço a magnífica música clássica alemã, a explosão de beleza do renascimento italiano, o “caos e cor” do Brasil, a profundidade do pensamento oriental, a grande diversidade expressiva da Índia, as sinceras dúvidas de Arjuna, o gênio de Mozart, DaVinci, a curiosidade insaciável de Mercúrio, a intensidade de ESCORPIÃO...

Na verdade é este grande conflito que a raça humana vive a razão de ser da sua beleza.
Alguém poderá analisar à luz da sua mente um problema, e esta análise poderá chegar a ser extensa, honesta, real, plena da Luz do conhecimento, mas esta intensa análise não será suficiente para “tocar” a raiz, este alguém deverá “sofrer” uma profunda necessidade – luta de todo o seu Corpo-Ser. O ser humano é holístico: corpo-mente-espírito, portanto nele os três devem estar comprometidos para que a Vida possa ser experimentada.

Neste sincero e vital conflito o coração exerce um grande papel, por ser o ponto médio de todos os chacras, o ponto de união do de cima com o debaixo, e é durante um inesperado e silencioso “passeio” com a mente já exausta, que o Coração se apodera dela e nos oferece a intuição ou pureza de razão. Esta revelação sempre está acompanhada de se saber em harmonia, união, paz, beleza … Amor.

Aqui, uma vez alcançada a Intuição, o papel do 5R, é oferecer a melhor maneira para que esta “solução” possa ser utilizada ou desfrutada pelo maior numero de pessoas possível. Por isto o gênio-Alma do ser humano está na capacidade de ser curioso e de “se atrever” com o Mistério, mas sua real contribuição é ter a capacidade expressiva de oferecer sua valentia criadora como uma forma concreta de conhecimento e serviço à humanidade.

Portanto sejamos valentes, lutadores, comprometidos e busquemos experimentar a vida plena de Amor, harmonia, beleza, generosidade e paz para depois mantê-la firme no conhecimento Mental, e deste lugar de poder, conseguir fazer da intuição algo compreensível, utilizável, prático, concreto…, em essência assim somos todos.


Agora que estamos em LIBRA, onde o Caminho do meio é tão importante, é necessário refletir sobre o equilíbrio Real destas energias divinas tão diferentes.


David C.M.